DICAS E SERVIÇOS DE AJUDA À MULHER



EM CASA


- Mantenha portas, janelas, portões, sempre trancados e use travas, olho mágico, grades e outros expedientes de segurança. Tenha cachorros bravos do lado de fora da casa. Do lado de dentro, tenha um cachorro pequeno, que late bastante ao pressentir perigo.

- Se for viajar, peça alguém para recolher jornais e revistas, propagandas de supermercados, etc. Não deixe as luzes acesas direto. Peça alguém para abrir as janelas e portas e dar uma varrida do lado de fora da casa para dar a impressão de que você não está ausente. Deixe seu telefone com o porteiro do prédio e peça para ele ligar para você em caso de urgência.

- Se você está esperando um técnico (eletricista, jardineiro, etc), peça informações pelo interfone para o porteiro para saber se é ele mesmo quem chegou.

- Evite sair do carro para abrir a garagem.

- Cuidado ao contratar funcionários - peça referências, consulte delegacias de polícia para saber se há algum processo contra o candidato. Se desconfiar de alguma coisa, não o contrate.

- Se receber uma encomenda, examine bem o crachá do entregador e não abra a porta para estranhos ou mesmo vizinhos que tenha pouca intimidade. Se desconfiar, ligue para o local da entrega. Se estiver sozinha, e um entregador aparecer com uma encomenda não esperada, peça que volte depois e não abra a porta. Lembre-se: as encomendas devem ser entregues na portaria e não no apartamento, pois a pessoa pode observar a rotina da casa.

- Receba pessoas estranhas na área social e na frente de outras pessoas e não no quarto, por exemplo.

- Nunca deixe as chaves na portaria do prédio. Não demonstre que está sozinha e jamais diga que vai sair ou que tem objetos de valor em casa.

- Não fale de sua vida para pessoas pouco íntimas e mesmo com parentes, conhecidos e amigos, evite falar quanto ganha, quanto tem no banco, que dia recebe o salário, etc.

- Se pressentir alguma pessoa estranha nas imediações, ligue para a polícia no telefone 190 (guarde este número na cabeça). Também tenha sempre a agenda de telefones por perto e os telefones de emergência na primeira página bem destacado.

- Peça alguém da família para esperá-la no portão, na esquina ou no ponto do ônibus onde vai descer. Se precisar ligue antes avisando que chegou, ou toque a buzina do carro e acenda os faróis. Se achar alguém estranho na rua, dê a volta pelo menos 3 vezes no quarteirão e se preciso, ligue 190.

- Nunca comente na frente de empregados, em ônibus ou na rua suas condições financeiras nem detalhes de sua vida, pois elas podem aproveitar-se disso para fingir-se de amigas ou parentes. Oriente sua empregada para que ela não comente seus horários com ninguém, principalmente com namorados, que muitas vezes aproximam-se dela para roubar a casa. O mesmo pode acontecer com você ou outra pessoa de sua família.

- Combine uma senha com a família para ser usada em caso de um fato estranho em casa. Pode ser um toque de buzina, dois toques na campainha, por exemplo.

- Nunca confie inteiramente numa pessoa.

- Se for assaltada, procure manter a calma, não tente conversar ou encarar para guardar as feições dele. E principalmente, não reaja, a não ser que seja uma questão de vida ou morte.

- Ao atender o telefone, nunca diga seu nome, mas pergunte quem quer falar.

- Ao andar a pé ou de carro, fique atento para perceber se tem alguém seguindo-a. Se estiver, não passe por lugares fechados como becos ou ruas sem saída, nem lugares escuros. Se precisar, volte prá trás, mesmo que tenha que andar muito. Também não ande muito colado aos passeios. Na volta prá casa à noite, ande em bandos, é mais seguro. E se estiver com medo, peça a um amigo para levá-la em casa.

- Não deixe todas as chaves da casa com a empregada. Se ela for atacada, não terá as chaves para abrir os outros cômodos. Quando demitir um funcionário que tenha as chaves, mude as fechaduras para que eles não voltem e abram a casa.

- Não converse com estranhos, nunca dê seu endereço, nem aceite presentes, balas, flores, etc. Desconfie de estranhos que dizem trazer recados de sua casa.

- Se for seguida na rua, entre na primeira loja ou casa que encontrar e peça socorre. Se tentar agarrá-la, grite bem alto, esperneie.

- Se crianças (pivetes) lhe agredirem para roubar, entregue o que pedirem.

Quando contratar um empregado - faça perguntas diretas e objetivas sobre seu passado e exija a documentação, como carteira de trabalho, CPF, carteira de identidade e título de eleitor. Faça uma cópia de tudo e peça uma foto atual. Peça referência dos dois últimos empregos e cheque-os pessoalmente. Avalie o motivo da saída e o tempo de permanência na empresa ou casa de família. Em São Paulo existe a Delegacia de Falsas Domésticas. Telefone (11) 228.3331.

Quando estiver fora - não deixe recados na secretária eletrônica avisando que a família está viajando. Peça os vizinhos para recolher os jornais e as correspondências na caixa de correios. Não deixe luzes acesas o tempo todo. Não entregue as chaves para alguém que não tenha confiança. Coloque grade nas janelas e alarmes em todos os cômodos da casa (nas portas, janelas e portões). Tenha registro de todos os seus bens, para identificá-los em caso de roubo. Dê preferência para as fechaduras tetra-chaves. Não deixe do lado de fora escadas ou outros objetos que podem facilitar a vida dos ladrões.

Ao comprar casa – ao escolher uma casa para comprar ou alugar, observe se existem terrenos ou casas abandonados, favelas, cortiços ou clubes que possam atrair pessoas de outros bairros. Verifique se a iluminação é adequada e se existem pontos que podem servir de esconderijo para marginais. Procure saber com os novos vizinhos se é comum o roubo de automóveis ou nas casas. Observe também se os policiais fazem rondas, ou se os moradores contratam seguranças. É importante saber ainda se existem na região rodovias e avenidas, que facilitam a fuga dos ladrões.

No apartamento – Exija que o porteiro identifique todos os prestadores de serviço que subirem no seu apartamento. Não receba candidatos a empregada ou babá em casa: atenda-os perto na portaria, perto do porteiro. Se encontrar o vigia dormindo, comunique o fato ao síndico. Procure não deixar a chave na porta do apartamento, pois um funcionário do prédio ou um desconhecido pode fazer uma cópia. Se alguém tocar a campainha sem que o porteiro tenha anunciado, não abra, e se desconfiar de alguma coisa, chame a polícia. E entre na garagem com o alarme aceso, pois nesse local os ladrões costumam se esconder.

Carro – Sempre que chegar em casa à noite verifique se há suspeitos na rua. Se desconfiar de alguma coisa, dê uma volta e chame a polícia. Também é bom criar com código com a familia, como por exemplo, buzinar ou acender os faróis antes de entrar na garagem. E no caminho até o carro, não ande com a chave na mão. Para evitar roubos de carros coloque alarmes, travas que dificultam a atuação dos ladrões. E evite deixar objetos de valor a vista no interior do automóvel. Em locais desertos feche os vidros e se possível coloque insulfilme nos vidros para dificultar o reconhecimento por parte do assaltante. Lembre-se de travar as portas. Não estacione no mesmo local e durante o mesmo horário todos os dias. Evite namorar em locais desertos ou demorar na despedida na porta de casa. Não estacione o veículo sozinha em locais escuros e afastados. O cuidado vale também para estacionamentos em shoppings e supermercados. Neste caso pare o carro em locais iluminados e perto da entrada. E nunca dirija com os vidros abertos, principalmente durante a noite. E não se distraia falando no celular.

Carteira de documentos – o roubo de carteiras e cheques costuma acontecer em locais de muito movimento, como ruas ou em ônibus. Por isso coloque a bolsa na frente e preste atenção em suspeitos. Nunca ande com todos os documentos. Tire xerox e autentique em cartório. No ande com muito dinheiro, e se for descontar cheque de valor muito alto, fale baixo ao gerente para receber em local reservado. Distribua o dinheiro pelos bolsos ou em repartições na bolsa, para em caso de roubo, o ladrão não levar tudo.

No trânsito – Se for assaltada, tente manter a calma e siga as instruções do bandido. Não faça gestos abruptos. Se for mexer peça permissão ao ladrão. Não tire o cinto de segurança nem toque no freio de mão, e não ofereça o que não foi pedido: entregue apenas o que o bandido quer. Não chore e não faca ameaças de retaliação no futuro. Não encare o assaltante nos olhos. Não ande com todos os documentos na carteira. Use principalmente a pista do meio da rua. Se puder, coloque vidros blindados no carro e insulfilm.



OUTROS CUIDADOS


- Nunca comente suas condições financeiras ou viagens na frente de estranhos e não permita que sua empregada comente sobre seus horários e hábitos da casa.

- Não deixe todas as chaves com a empregada. Se ela for atacada, você não terá como ajudá-la rapidamente. E tenha sempre anotado o endereço de seus empregados e de parentes deles.

- Nunca resista a um assalto. Tente se manter calma e evite movimentos bruscos.
- Ao chegar em casa de carro ou a pé tome cuidado, observe se não há pessoas ou movimentos estranhos a sua volta. Procure andar por locais movimentados e iluminados. De preferência, a noite, evite andar desacompanhada de amigos ou namorado. E nunca use trilhas em terrenos baldios.

- Quando receber alguma encomenda, como flores, pizzas ou até mesmo remédios, vá sempre a portaria do prédio. Se ele subir até seu apartamento, pode observar a rotina dos moradores.

- Preste atenção se está sendo seguida também durante as caminhadas ou passeios de bicicleta.

- Nunca aceite caronas de estranhos ou de pessoas que têm pouca intimidade.

- Cuidado ao subir no ônibus sozinha. Um marginal pode ameaçá-la neste momento.

- Cuidado ao preencher fichas de cadastro nas lojas. Elas costumam ser vendidas (malas diretas) para outras empresas.

- Você pode proibir a divulgação de seu numero de telefone no serviço de informação da empresa telefônica. Para isso basta ligar 104 mais o prefixo do seu telefone. Existem ainda o Bina, que informa o número que discou para você e outros serviços telefônicos.

- Não deixe seu endereço na internet e só faça compras virtuais com empresas com https. E recuse páginas com Activex, programa que pode captar informações do seu computador.

- Se notar que um parente a olha de forma diferente, conte para alguém de sua confiança (pode ser a professora, uma vizinha adulta, madrinha, etc).
- Nunca vá para a casa de alguém que você acaba de conhecer.
- Nunca ande na mesma direção dos carros.



EM CASO DE ESTUPRO


- Em primeiro lugar não tome banho imediatamente, pois pode apagar as marcas da violência no exame de corpo de delito. Procure uma delegacia para fazer um boletim de ocorrência.

- Se achar que alguém comete abuso contra você, mostre indignação e não aceite. E não se intimide em contar o fato a um amigo ou parente, mesmo que o acusado seja da família.

- Se você mora sozinha, cuidado ao levar homens para casa. Faça-o saber que muitas pessoas o viram entrar ali com ele.

- Nunca faça sexo sem vontade, mesmo que seja com o marido ou namorado.

- Se for violentada ou molestada não se sinta culpada, lembre-se que não é a única, que outras pessoas já passaram por isso.

- Quando sentir que um parente ou amigo da família a olha diferente, ou a observa trocando de roupa, tomando banho, roubando-lhe um beijo, etc, evite ficar perto dele ou sozinha com ele por perto. Também não o acompanhe em passeios, nem que seja na esquina. Conte isso a alguém de sua inteira confiança, que pode sua tia, a mãe, a avó, a professora, a vizinha. Não demonstre medo e não acredite se ele disser que se contar a alguém vai lhe matar ou matar quem você gosta.

- Não provoque um homem com quem você não quer nenhum tipo de relacionamento.

- Nunca aceite carona de estranhos ou de vizinhos que você não tenha muita intimidade. É preferível andar a pé ou de ônibus, do que correr riscos.

- Não vá para a casa de alguém que acabou de conhecer ou que tem pouca intimidade. Também não faça nada que não esteja a fim.

- Se você não reagiu na hora, não sofra sozinha, sentindo-se culpada, suja. Procure ajuda profissional (de um psicólogo). Você pode denunciar o agressor na Delegacia de Mulheres.

- Cuidado com as ameaça. Muitas vezes elas podem acontecer e muitas mulheres morrem por imaginar que o companheiro não vai cumprir a promessa de agredi-la ou matá-la.

- Se for agarrada na rua, grite muito.

- Ninguém tem o direito de mexer no seu corpo sem que você queira. Lembre-se que a Lei existe para ser usada.

- A Lei 8.072 de 1989 qualificou o estupro como crime hediondo, ou seja, em caso de condenação, não há direito a fiança nem redução do comprimento da pena, que varia entre 12 e 20 anos.



CUIDADOS QUANTO AO COMPANHEIRO


- Não conte detalhes de um namoro antigo, nem desperte ciúme em seu companheiro. O que passou, passou. O importante é viver o presente.

- Nunca aceite um tapa ou outra agressão, pois ela só tende a aumentar, levando à violência pior.

- O medo de represália do companheiro faz com que ele se sinta mais forte e capaz. Ele acha que tem o direito de bater e exigir coisas, como não usar roupas curtas ou decotes. Imponha respeito já no namoro. Mas se ele 'se mostrou' como é depois do casamento, mostre que também é forte. Mas não precisa enfrentá-lo com a força física. Saia de casa mas não deixe rastros, mude de cidade, de bairro e peça ajuda da polícia. Não pense na casa, nos móveis que compraram. Pense apenas em vocês e nos filhos (se tiver). Lembre-se: objetos se compram, pessoas não.

- Cuidado quando o companheiro tem ciúmes de você com certas roupas ou tendo certos comportamentos, como dando risadas com um amigo, por exemplo. Não há nada de bonito em ter ciúmes de bobagens e assombrações e essas fantasias dele podem piorar, levando à agressão.

- Se o companheiro bebe, se droga ou se vicia de outra maneira, não pense que ele vai mudar. O certo é deixá-lo. Não existe só ele no mundo.

- Não faça provocações, não coloque apelidos no companheiro, no amigo ou na família dele. Mas se ele não respeita a sua, não merece ficar com você.

- Quando conhecer alguém, não tenha ilusões. Procure observar o comportamento dele perante as situações da vida. Se ele tem reações estranhas, conversa sozinho, tem atitudes violentas por qualquer coisa, fique esperta. Ele não serve. Pode parecer bom moço, mas não é.

- Fique atenta ao tipo de amizade que seu companheiro tem. Também observe o comportamento dele com a família, se houve casos de agressão em que ele foi o culpado, se ele fez acusações indevidas, etc. Pode ser um sinal de que ele não respeita as pessoas e com certeza, não respeitará você.

- Observe como o companheiro se comporta diante de seu sucesso. Se ele começa a agredi-la com palavras ou violência diante de uma promoção, cuidado.

- Um bom relacionamento entre homem e mulher deve ter respeito de ambos os lados. É preciso ceder em alguns casos, e as discussões podem ser saudáveis, mas brigas demais, ofensas e agressões não combinam com romance.



RETRATO DO AGRESSOR


- O homem que agride a mulher costuma ter traços parecidos:
- Na infância sofreu violência ou viveu num ambiente violento.
- Acha que a mulher deve ser obedecer ao homem.
- Tem dificuldade de aceitar as frustrações e não aceita um 'não' como resposta.
- Sente-se fragilizado e impotente diante da independência da mulher.
- Tenta isolar a companheira de amigos, vizinhos e parentes.
- Faz questão de ter sempre a última palavra.
- É manipulador, pede perdão de joelhos, chora, ameaça se matar se for abandonado.
- É controlador, manda na mulher e exige que ela o obedeça. Decide o que a mulher vai usar, como se comportar, onde deve ir, etc.
- Usa a ameaça como forma de manipulação.


PEDINDO SOCORRO


- Ofensas morais, agressões, tapas, xingamentos, empurrões, tudo são crimes e o agressor deve ser denunciado à polícia. Vá à Delegacia de Mulheres sozinha ou com alguma amiga e dê queixa de seu companheiro.

- Se houver ferimentos, procure o Instituto de Médico Lega (IML) para fazer corpo de delito, que comprovam as agressões físicas.

- Se preciso, a Delegacia a encaminhará a um abrigo sigiloso, em que seu companheiro não sabe onde é. Lá, poderá retomar a vida, sozinha ou com seus filhos. Se persistir ficar em casa, poderá sofrer violências mais graves e até a morte.

- Se o companheiro não quiser se separaR de você, a Justiça lhe indicará um procurador do Estado para orientá-la e defendê-la.


APOIO JURÍDICO:


MINAS GERAIS - Belo Horizonte – delegacia criminal: Via Expressa 3250, Coração Eucarístico (31) 3411.5055. Cível: avenida Francisco Sá 1409 Gutierrez (31) 3275.3890 e 3275.3891. Relações de consumo: rua Curitiba, 632, centro.

GOIÁS - Ministério da Justiça – (61) 225.3947.


COMO SE COMPORTAR NO MÉDICO


Na sala do médico: Vá direto ao assunto, não perca tempo com perguntas desnecessárias. Não chegue atrasada para as consultas, e não reclame se precisar esperar. Não leve crianças, a menos que sejam elas as pacientes. Não tenha vergonha de contar sintomas íntimos. Se estiver tomando remédios, avise ao médico. Avise se estiver grávida, amamentando ou querendo engravidar. Avise também se tiver alergia a algum medicamento ou alguma doença.

Direitos do paciente:- Fazer perguntas, se você não entender o porque o médico receitou determinado tratamento ou remédio. O importante é sair da sala sem nenhuma dúvida. - Você pode reclamar se o médico a deixar esperando para atender um telefonema, ou se a recepcionista entrar na sala toda hora. - Você tem direito de saber se o remédio receitado, já tem genérico.

Como identificar um mau profissional: O médico nem toca em você, não examina, não houve sua história e vai fazendo logo o diagnóstico. Promete soluções milagrosas e não mostra provas de que seu trabalho é sério. Exige que você faça exames no laboratório indicado por ele ou que compre remédios em determinada farmácia. Tenta ainda promover seus próprios medicamentos. Faz insinuações sexuais ou tem um comportamento estranho. Não permite que você entre na sala com seu marido, mãe ou outra pessoa de sua confiança.

Planos de Saúde – Pelo regulamento do Ministério da Saúde cada empresa deve oferecer 6 tipos de plano: ambulatorial, hospitalar com e sem obstetrícia, odontológico, uma combinação de todos estes e o referência, que oferece a cobertura total. Os preços variam de acordo com a idade, mas as pessoas com mais de 70 anos só podem pagar até 6 vezes o valor que os mais novos. Quem tem mais de 60 e está há mais de 10 anos com o mesmo plano, não pode ter o valor da mensalidade aumentada. A partir da assinatura do contrato as carências são de 24 horas para acidentes pessoais, 10 meses para parto e 6 meses para outras ocorrências. Os planos devem atender pacientes com aids e incluem transplantes de rim e de córnea e oferecem até 12 consultas com psicólogos para pacientes com problemas mentais causados por drogas. Os contratos só podem ser rescindidos em caso de fraude ou inadimplência. Estão proibidos limites de dias para internações ou restrições de consultas e exames.

Na Justiça - Para apresentar uma denúncia contra o medico o paciente precisa apresentar exames, ficha clínica e prontuário médico, fotos, receitas, etc. A queixa pode ser avaliada por outro médico e todos os documentos devem ser entregues a um advogado de confiança, para que ele abra um processo contra o médico que cometeu o erro. Só assim o juiz pede uma perícia para avaliar se houve lesão ou não. A sentença sai depois das duas partes serem ouvidas, e pode demorar muitos anos. Os advogados geralmente cobram 20% do valor da ação. E quem perde paga os honorários da outra parte e a perícia.

No Conselho de Medicina – A denúncia contra o médico que a lesou deve ser feita pessoalmente, e assinada, ao Conselho de Medicina de seu Estado. Se for constatada infração ao Código de Ética Médica, será aberto um processo e o médico pode ser advertido ou suspenso por 30 dias, e até ser cassado. Neste caso o paciente lesado não paga pelo processo. O prazo para julgamento nos Conselhos de Medicina é de 5 anos.



HOSPITAIS PÚBLICOS QUE REALIZAM ABORTO


SÃO PAULO - Pérola Byinton: avenida Brigadeiro Luís Antônio, 683 (11) 232.3433). Hospital Municipal Jabaquara: avenida Francisco de Paula Quintanilha, 860 (11) 578.5111. Unicamp (19) 788.7766.

RIO DE JANEIRO – Instituto da Mulher Fernando Magalhães: (21) 580.1132. Maternidade Herculano Pinheiro: (21) 221.1107.

CENTRO-OESTE – Brasília - Hospital Materno Infantil de Brasília (61) 443.2322.

NORDESTE - Pernambuco – Centro Integrado de Saúde Amauri de Medeiros (81) 427.3700. Hospital Agamenon Magalhães (81) 441.5888.

TODO PAÍS: Orientações no SOS Mulher (11) 3034.2321.


OUTROS SERVIÇOS


NORDESTE: Bahia: Cedeca (71) 243.8499. Disque Drogas (71) 0800.710.110. Narcóticos Anônimos (71) 532.1200. Alcoólicos Anônimos (71) 322.7797. Pastoral da Mulher de Juazeiro (BA): rua Raul Queiroz, 110: pmmjua@oblatas.com.br. Projeto Força Feminina: rua Saldanha da Gama, 19, 1o andar, cep: 40020-220, Salvador (BA): ffeminina@oblatas.org.br.

MINAS GERAIS: Belo Horizonte: DNA gratuito (31) 3499.2533 para fazer o exame não é preciso pedido judicial. Pessoas desaparecidas - Afago - organização criada por familiares de pessoas desaparecidas em Belo Horizonte: (31) 9975.9773. Casa do Idoso – (31) 3398.3034. Pais de Plantão (registro para adoção)– 3272.4133. Disque Racismo – 3277.4696. SOS Racismo – 3201.9331. Serviço Salva Vidas – 3334.9700. Atendimento às vítimas de violência – 3286.8139 e 3421.1522. Associação da Pastoral da Mulher Marginalizada: av. Santos Dumont, 664, sala 327, centro de Belo Horizonte, cep: 30.111-040: 3272-7349/7135; pastoral da mulherbh.blogspot.com.

CENTRO-OESTE: Goiás: SOS Criança (61) 1407. Cevam (62) 213.2233.

RIO DE JANEIRO: Disque Mulher (21) 2299.2121. Abrapia - Associação Brasileira de Proteção a Infância e Adolescência – Recebe denúncias e presta assessoria jurídica e psicológica (021) 589.5656, (021) 553.8181, (021) 233.0113. SIA Sobreviventes de Incesto Anônimo - Para maiores de 18 anos que sofreram abuso sexual na infância. O primeiro contato deve ser feito por correspondência pelo endereço: caixa Postal 117 cep 22022-970 Rio de Janeiro. Clínica de Violência para Crianças (21) 541.3464. Centro Brasileiro de Defesa dos Direitos da Criança e do Adolescente (21) 220.9903. Centro Brasileiro de Defesa dos Direitos da Criança - recebe denúncias de todo o todo o país e oferece atendimento médico e psicológico, através do telefone (021) 220.9903. Disque Drogas (21) 2238.9512. Narcóticos Anônimos (21) 2533.5015. Alcoólicos Anônimos (21) 2253.9283.

SÃO PAULO: União das Mulheres (11) 3106.2367. Pró-Mulher: (11) 3812.4084. Hospital Pérola Byington – (11) 3105.5041 ramal e 276 3242.3433. Crami - Centro Regional de Atenção aos Maus Tratos na Infância do ABC paulista: Sorocaba (015) 221.2777. Campinas (019) 251.1234. Bauru (014) 238.3000. Serviço de Advocacia da Criança (011) 239.0411, 239.3211 E 239.3238. SOS Criança 1407 ou (011) 270.9422. Recebe denúncias e oferece assessoria jurídica gratuita para as vítimas. Pavas, Programa de Atenção ás Vítimas de Abuso Sexual (011) 3061.5233. Oferece atendimento psicológico e médico a crianças e adolescentes. Projeto Antonia - A Luta de Cada Mulher: Rua Cerqueira César, 96m sala 01, Cep: 04750-080.

SUL: Paraná - SOS Criança (41) 1407.


DELEGACIAS DA MULHER


CENTRO-OESTE: Brasília (61) 244.9566/244.3400. Goiânia (62) 212.4366 (061) 244.3400. OAB: (61) 448.7000.  ramal 7023. Brasília (Ministério da Justiça), http://www.servicos.gov.br/servico/ouvidoria-da-mulher?pk_campaign=orgao.

NORTE: Belém (91) 246.4862. Manaus: (92) 236.7012.

NORDESTE: Aracaju (79) 213.1238. Fortaleza (85) 281.3837, SOS Criança (81) 231.2525. Manaus (92) 236.7012. Maranhão (98) 221.2338. Natal (84) 221.2326. Recife (81) 3222.2622. Salvador (71) 245.5481.

SUDESTE: MINAS GERAIS: Belo Horizonte avenida Augusto de Lima, Barro Preto. Telefone (31) 330.1750, 3330.1746, 3330.1747, (31) 3330.1750, (31) 3330.1760, plantão: (31) 3429.6000. Disque-Cidadã: 3277.4755. A ligação é de graça. Betim – rua Pedro Neves 44, centro (31) 3594.4080. Uberlândia - rua Duque de Caxias 53, centro.

SÃO PAULO: Campinas (19) 252.5016. Diadema (11) 4048.1904. Ribeirão Preto: (16) 610.4449. Santo André (11) 4438.4032. São Paulo (11) 3768.4664/ 239.3328. (11) 3241.3328, (11) 3311.3473, (11) 6742.1701, (11) 3311.3473 plantão 24 horas (11) 239.3328, (11) 6742.1701, (11) 3311.3473, plantão 24 horas: (11) 239.3328. Sorocaba (15) 224.1113.

RIO DE JANEIRO: Belford Rocho (21) 3399.3980/ 3399.3983. Nova Iguacu (21) 399.3720. Rio de Janeiro (21) 3399.3370 Instituto Municipal Fernando Magalhães (21) 2580.8343. Disque Denúncia: 0800.156.315. DDD Mulher (21) 2751.5825 funciona 24 horas. São Gonçalo (21) 399.3690.

SUL: Curitiba (41) 223.5323. Florianópolis (48) 228.5301, (0482) 22.5304. Porto Alegre (51) 3288.2400, 3288.2172 (51) 226.5788.



CASAS DE APOIO À MULHER QUE SOFRE VIOLÊNCIA



MINAS GERAIS - Belo Horizonte: Centro de Apoio à vítima de violência (Caviv) - Rua Paraíba 29, 10o andar Santa Efigênia, Belo Horizonte - fone: 3277.9761. Benvinda - Centro de Apoio à Mulher - Av. Contorno 2231 Floresta, B elo Horizonte - fone: 3277.4379/ 3277.4380. Atendimento à vítimas de violência – oferece de graça apoio psicológico, social e jurídico às vítimas de violência. Telefone 3286.8139. Disque Denúncia – 0800.31.20.31 ou 0800.31.11.19. Casa Sempre Viva - oferece apoio psicológico às vítimas de violência. As vitimas são encaminhadas para o local através da polícia (031) 3295.2946. Sobreviventes de Incesto Anônimo (SIA) - para maiores de 18 anos que sofreram abuso sexual na infância. O primeiro contato deve ser feito por correspondência pelo endereço: Caixa Postal 1550, cep 30161-970, Belo Horizonte MG. SOS Criança (31) 220.1515. Coordenadoria Municipal dos Direitos da Mulher (COMDIM): rua Espírito Santo, 505, 9o andar, telefones: 3277-9756/9758 ou 156.  Benvinda: 3277-4380/4755 - Conselho dos Direitos da Mulher (CMDM): rua Espírito Santo, 10o andar, centro: 3277-4346, D e rua Martinica, elegacias Especializadas de Crimes contra a Mulher: rua Aimorés, 3005, Barro Preto, 3330-1761/17, rua Martinica, 69, Santa Branca, Venda Nova: 3495-6502. Atendimento à Mulher em Sit~uação de Violência Sexual em Minas Gerais: 0800-305000/0800300190. Núcleo de Defensoria Pública: rua Paracatu, 304, 2o andar, Barro Preto: 3349-9400/9416/9415. Promotoria de Justiça e Defesa da Mulher: rua Ouro Preto, 703, 10o andar, Barro Preto: 3337-6996. Conselho Estaduao dos Direitos da Mulher: 3261-0696/7971.

RIO DE JANEIRO: Hospital Pedro II (21) 3395.0123. Ciam (Centro Integrado de Apoio à Mulher) – (21) 2299.2122 ou 2299.2130. Disque-Denúncia: (21) 2253.1177. Cedeca (71) 243.8499.

SÃO PAULO: Diadema: Casa Bete Lobo (11) 4056.3322. Santo André: Centro de Apoio à Mulher em Situação de Violência Zen Maria (11) 4992.2936. São Paulo: Casa Eliane de Grammont (11) 5549.9339. Casa Abrigo Helenira Rezende de Souza Nazareth - fornece ajuda a mulheres vítimas da violência doméstica e sexual e fornece apoio psicológico e assistência social. As vítimas devem passar antes por uma triagem na Casa Eliane de Gramont - rua Doutor Bacelar 20, Vila Mariana (11) 5549.9339 e 5549.0335. Defesa da Mulher - vítimas de estupro podem procurar o Coletivo Feminista Sexualidade Saúde, que funciona de 8h30 às 17h30 na rua Bartolomeu Zunega 44, Pinheiros. A entidade oferece a um preço irrisório, consulta ginecológica e psicólogo.

Outros sites: http://www.violenciamulher.org.br/, http://www.rcvm.org.br/, http://www.direito2.com.br/, http://www.patriciagalvao.org.br/, http://www.comunidadesegura.org.br/, http://www.direitos.org.br/, www.agende.org.br/16dias, www.presidencia.gov.br/estrutura_previdencia/sepm, http://www.spm.salvador.ba.gov.br/, http://www.cfemea.org.br/.


TRATAMENTO CONTRA DROGAS


CENTRO OESTE - Brasília – Associação dos Centros de Assistência e Tratamento de dependentes Químicos (61) 224.9471, SCS, Q2, N78, edifício OK, 6o andar. Mato Grosso – Recovery Clinic (65) 686.1776. Desafio Jovem (67) 386.2754. rua Senador Queiroz, 185, Campo Grande. (67) 521.3218 e 521.1374, rua David Alexandria, 3857, Três Lagoas.

ESPÍRITO SANTO – Vitória - Centro de Prevenção e Tratamento e Toxicômano (27) 222.0861, rua Álvaro Sarlo, s/no, Ilha de Santa Maria.

MINAS GERAIS - Belo Horizonte - Centro Mineiro de Toxicomania: Alameda Ezequiel Dias, 365, bairro Santa Efigênia. Fazenda Renascer: rua Espirito Santo, 1059, sala 601, centro (031)3224.9202 e 3273.5844.

NORDESTE - Bahia – Centro de Estudos e Terapia de Abuso de Drogas (71) 336.8673 rua Pedro Lessa 123, Salvador. Ceará – Desafio Jovem (85) 225.7230.

NORTE: Belém – Desafio Jovem (91) 248.2259. Manaus – superintendência de Saúde (92) 663.4663. Recife – Centro de Recuperação Humana Eulâmpio Cordeiro (81) 228.3200, rua Rondônia, 100.

RIO DE JANEIRO - Obra de Promoção de Jovens: rua Sebastião Lacerda, 70 (21) 205.3300. Nepad: rua São Francisco Xavier, 524 (21) 284.8322. Núcleo de Estudos e Pesquisas em Atenção ao Uso de Drogas (21) 589.3269, 580.3748 e 284.8322, ramal 7163, rua Fonseca Teles, 121, 4o andar.

SÃO PAULO: Unidade de Dependência de Drogas (UDED) (11) 5539.0155 ramal 163. Unidade de Pesquisa em Álcool e Drogas (PROAD) (11) 5576.4341. Grupo de Estudos de Álcool e Drogas do Hospital das Clínicas (GREA) (11) 3064.4973. Programa de Drogas e Saúde Menta (PROSAM) (11) 3862.1385. Disque Drogas (0800) 771.3163. Alcoólicos Anônimos: (11) 3315.9333. Narcóticos Anônimos: (11) 5594.5657. Clínica Vitória (dependentes de remédios) (11) 494.3098 e 7961.1513. Prosan (11) 3862.1385. UDED (11) 571.4839. Marion (11) 7396.5646. Credec (11) 413.5483. Taubaté - Desafio Jovem para meninas em (12) 233.3511. Ambulatório de Recuperação de Alcoólatras para funcionários da prefeitura : (11) 3106.8908, rua Frederico Alvarenga 259, 5o andar.

SUL - Rio Grande do Sul – Cruz Vermelha (51) 592.6163. Desafio Jovem (51) 672.1489. Santa Catarina – Centro de Assistência Psicossocial (47) 433.1680, rua Professora Laura Andrade 52.



ALCOÓLICOS E NARCÓTICOS ANÔNIMOS


CENTRO-OESTE - Brasília – (61) 226.0091. Cuiabá (67) 383.1854. Dourados (67) 422.5419. Goiás – (62) 223.0445.

ESPÍRITO SANTO - Vitória (27) 223.7268, 223.1382.

MINAS GERAIS: Belo Horizonte - avenida dos Andradas, 302, sala 523 (031) 3224.7681 e 3224.7744, rua Guarani 597, centro. Juiz de fora (32) 215.8503. Governador Valadares (33) 3271.1990. São João Del Rey (32) 3371.4351.

NORTE - Araguaia – rua Cônego João Lima, 2346/105. Acre – (68) 224.1888 e 223.1095. Amapá – (96) 222.5154. Amazonas – (92) 633.3232. Belém – (91) 224.2965. Castanhol (91) 721.1989. Natal (84) 221.2777. Palmas (63) 215.2935. Parintins (92) 533.1574. Santarém (91) 522.7661. Rondônia – (69) 221.7243. Roraima – (95) 224.3935.

NORDESTE - – (82) 223.5329. Aracaju (79) 211.2027. Arapiraca – (82) 521.4389. (82) 221.2611. Bahia – (71) 322.2963. Campina Grande (83) 322.4258. Ceará – (85) 231.2437.Ilhéus (73) 231.8792. João Pessoa (83) 222.4557. Juazeiro do Norte (85) 512.2800. Maranhão – (98) 222.4050. Recife (81) 221.3592 e 721.6788.São Luiz (98) 721.7711. Sobral (85) 613.1142. Várzea do Poço (75) 639.2168. Teresina (86) 223.5919.

RIO DE JANEIRO - Niterói (21) 718.4956. Rio de Janeiro: (021) 205.7905, (21) 253.9283, 240.6738, 285.0244 e 233.4813. Obra de Promoção de Jovens: rua Sebastião Lacerda, 70 (21) 205.3300. Nepad: rua São Francisco Xavier, 524 (21) 284.8322.

SÃO PAULO - avenida Santo Amaro, 3848 (011) 813.4527, (11) 228.7425, (11) 3315.9333, (11) 3315.9333 – www.aabr-online.com.br Al-Anon (Grupo de Familiares de Alcoólicos Anônimos) - (11) 228.7425 (11) 229.4688 – www.al-anon.org.br/defaut.asp

SUL - Blumenau (47) 322.6304. Curitiba (41) 222.2422. Florianópolis (48) 224.6713. Joinville (47) 422.2966. Maringá (44) 266.4313. Porto Alegre - cartas para a Caixa Postal 469 Cep 90001-970. O grupo se reúne as segundas e quintas-feiras na sede da Cruz Vermelha, avenida Independência 993 (051) 224.0104. Ponta Grossa (42) 222.2233.

Todo o país - Disque Pare de Fumar: (0800) 703.7033, Central de Atendimento criado pelo Ministério da Saúde para orientar o fumante sobre como largar o vício. Funciona de segunda a sexta das 8 da manhã às 5 da tarde. A ligação é de graça.


JOGADORES ANÔNIMOS


MINAS GERAIS - Belo Horizonte - reuniões todas as terças e quintas-feiras as 8 da noite na praça Carlos Chagas, sem número, Santo Agostinho. Telefone 3291.6515, e às segundas-feiras na praça Ramais, 161, bairro Parque Riachuelo, ônibus 9402.

RIO DE JANEIRO – rua Marechal Floriano, 114, 13 andar (021) 233.8898 (preserva a identidade dos participantes).


OUTROS VÍCIOS


MADA (Mulheres que Amam Demais Anônimas) – pessoas que se envolvem em relacionamentos complicados, com alcoólatras, drogados, etc. Funciona na rua Sampaio Vidal, 1055, em São Paulo. As reuniões acontecem às quartas-feiras as 6 da tarde e aos sábados às 8 da noite.

Esquizóides Anônimos – Frequentado por pessoas com tendência à solidão e devaneios. Funciona em São Paulo, na rua Cincinato Braga, 540. As reuniões acontecem todas as quartas, as 7 da noite e aos sábados a partir das 4 da tarde. Cartas podem ser enviadas para Caixa Postal, 18424, cep: 04699.970.



DELEGACIAS DA MULHER


Aracaju (SE) – (79) 213.1238. Belém (PA) – (91) 246.4862 Belo Horizonte (MG) – (31) 3330.1757 Brasília (DF) – (61) 244.9566 Curitiba (PR) – (41) 223.5323 Diadema (SP) – (11) 4048.1904 Florianópolis (SC) – (48) 228.5301 Fortaleza (CE) – (85) 281.3837 Goiânia (GO) – (62) 212.4366 Natal (RN) – (84) 221.2326 Porto Alegre (RS) – (51) 3288.2400 Recife (PE) – (81) 3222.2622 Rio de Janeiro (RJ) – (21) 3399.3370 Salvador (BA) – (71) 245.5481 Santo André (SP) – (11) 4438.4032 São Paulo (SP) – (11) 3768.4664 .

DNA gratuito: (31) 3499.2533. para fazer o exame não é preciso pedido judicial. Centro de Apoio à vítima de violência (Caviv) - Rua Paraíba, 29, 10o andar, Santa Efigênia, Belo Horizonte - fone: 3277.9761
Benvinda - Centro de Apoio à Mulher - Av. Contorno, 2231 Floresta, elo Horizonte - fone: 3277.4379/ 3277.4380.

APOIO ÀS VÍTIMAS DE VIOLÊNCIA SEXUAL


Bahia: - Cedeca (71) 243.8499.

Goiás: Delegacia da Mulher (061) 244.3400. OAB: (61) 448.7000 ramal 7023. - Goiânia (62) 212.4366. SOS Criança (61) 1407. Cevam (62) 213.2233.

Manaus: - Delegacia da Mulher (92) 236.7012.

Minas Gerais: - Delegacia da Mulher de Uberlândia, rua Duque de Caxias, 53, centro da cidade. - Delegacia Especial da Mulher em BH: (31) 3330.1760. plantão: (31) 3429.6000. Disque-Cidadã: 3277.4755. - Delegacia Adjunta de Crimes Contra a Mulher de Betim – rua Pedro Neves, 44, centro de Betim, cep 32.510.230. telefone 3594.4080. - Delegacia de Mulheres de Belo Horizonte – avenida Augusto de Lima, Barro Preto. Telefone (31) 330.1750, 3330.1746 e 3330.1747. - Disque Cidadã - recebe denúncias de maus tratos através do telefone 3277.4755. - Atendimento à vítimas de violência – oferece de graça apoio psicológico, social e jurídico às vítimas de violência. Telefone 3286.8139. - Disque Denúncia – 0800.31.20.31 ou 0800.31.11.19. A ligação é de graça. - Casa Sempre Viva - oferece apoio psicológico às vítimas de violência. Funciona em Belo Horizonte, mas o endereço não é fornecido pelo Programa Cidadania da Mulher. As vitimas são encaminhadas para o local através da polícia, depois de serem agredidas e ameaçadas pelos maridos. Em Belo Horizonte (031) 3295.2946. - Sobreviventes de Incesto Anônimo (SIA) - para maiores de 18 anos que sofreram abuso sexual na infância. O primeiro contato deve ser feito por correspondência. Em Belo Horizonte, Caixa Postal 1550, cep 30161-970.
- SOS Criança (31) 220.1515.

Nordeste: - Delegacia da Mulher de Fortaleza – (85) 281.3837. - Delegacia da Mulher do Maranhão – (98) 221.2338. SOS Criança (81) 231.2525.

Rio de Janeiro: - Na cidade de São Gonçalo, interior do Rio de Janeiro, o Centro Especial de Orientação à Mulher fez um convênio com a Justiça e atende os agressores durante 6 meses. Nesse período o acusado faz um curso e so volta a ser preso se agredir a mulher novamente. Telefone (21) 399.3730. - Ciam (Centro Integrado de Apoio à Mulher) – (21) 2299.2122 ou 2299.2130. - Disque-Denúncia: (21) 2253.1177. - Instituto Municipal Fernando Magalhães (21) 2580.8343. Disque Denúncia: 0800.156.315. - Delegacia de Mulher – Nova Iguacu (21) 399.3720. - DDD Mulher (21) 2751.5825 funciona 24 horas. - Centro Brasileiro de Defesa dos Direitos da Criança - recebe denúncias de todo o todo o país e oferece atendimento médico e psicológico, através do telefone (021) 220.9903. - Associação Brasileira Multiprofissional de Proteção a Infância e Adolescência, Abrapia – Recebe denúncias e presta assessoria jurídica e psicológica – (021) 589.5656, (021) 553.8181, (021) 233.0113. Sobreviventes de Incesto Anônimo (SIA) - Para maiores de 18 anos que sofreram abuso sexual na infância. O primeiro contato deve ser feito por correspondência. No Rio de Janeiro, caixa Postal 117, cep 22022-970. Clínica de Violência para Crianças (21) 541.3464. Centro Brasileiro de Defesa dos Direitos da Criança e do Adolescente – (21) 220.9903. - Disque Drogas (21) 2238.9512. Narcóticos Anônimos (21) 2533.5015. Alcoólicos Anônimos (21) 2253.9283.

São Paulo: - Defesa da Mulher, no centro de São Paulo - As vítimas de estupro podem procurar o Coletivo Feminista Sexualidade Saúde, que funciona de oito e meia da manhã ás cinco e meia da tarde na rua Bartolomeu Zunega, 44, Pinheiros. A entidade oferece a um preço irrisório, consulta ginecológica e psicólogo. - Casa Abrigo Helenira Rezende de Souza Nazareth - fornece ajuda a mulheres vítimas da violência doméstica e sexual e fornece apoio psicológico e assistência social. O abrigo em capacidade para atender 30 pessoas, entre mulheres e filhos. As vítimas devem passar antes por uma triagem na Casa Eliane de Gramont, que fica na rua Doutor Bacelar, 20, Vila Mariana. Outras informações nos telefones (11) 5549.9339 e 5549.0335. - União das Mulheres (11) 3106.2367. Pró-Mulher: (11) 3812.4084. Hospital Pérola Byington – (11) 3105.5041, ramal 276. Delegacia de Mulher – Em São Paulo (11) 6742.1701 (11) 3311.3473, plantão 24 horas: (11) 239.3328. Em Praia Grande (13) 471.4044. - Serviço de Advocacia da Criança (011) 239.0411, 239.3211 E 239.3238. SOS Criança 1407 ou (011) 270.9422. Recebe denúncias e oferece assessoria jurídica gratuita para as vítimas. Programa de Atenção ás Vítimas de Abuso Sexual, Pavas – (011) 3061.5233. Oferece atendimento psicológico e médico a crianças e adolescentes. Centro Regional de Atenção aos Maus Tratos na Infância (Crami) do ABC paulista 412.1234. Sorocaba (015) 221.2777. Campinas (019) 251.1234. Bauru (014) 238.3000. - Sobreviventes de Incesto Anônimo (SIA) - para maiores de 18 anos que sofreram abuso sexual na infância. O primeiro contato deve ser feito por correspondência. Em São Paulo, Caixa Postal 45446, cep 04010-970. - SOS Crianca (11) 270.9422. CMDCA (11) 225.9077, ramal 2287. Ou nas delegacias de Defesa da Mulher. - Hospital Jabaquara (11) 5011.5111. Hospital Pérola Byington (11) 3242.3433. SOS Mulher (11) 3034.2321.

Sul: - Delegacia da Mulher de Porto alegre – (51) 288.2172. Conselho Tutelar da Criança e do Adolescente – (51) 226.5788. - Curitiba – (041) 223.5323. Florianópolis (0482) 22.5304. Paraná SOS Criança (41) 1407.


Apoio jurídico 


Juizado especial de pequenas causas – soluciona conflitos nas esferas cível e criminal.
Belo Horizonte – Criminal: Via Expressa, 3250, Coração Eucarístico, telefone (31) 3411.5055. Cível: avenida Francisco Sá, 1409, Gutierrez. Telefones: 3275.3890 e 3275.3891. Relações de consumo: rua Curitiba, 632, centro.
Ministério da Justiça – (61) 225.3947.
Movimento das Donas de Casa – Fiscaliza os preços nos supermercados e denuncia no Procon e na imprensa, abusos cometidos contra o consumidor, além de fazer pesquisas de preços em farmácias, lojas, supermercados, etc. Funciona na avenida Afonso Pena, 1500, 17o andar, centro de Belo Horizonte. Telefone 3274.1033.
Procon – (Fundação de Proteção e Defesa do Consumidor): recebe todo tipo de reclamações através dos telefones 1512, de 8 da manha as 6 da tarde, em todo o país. Também faz pesquisas de preços e promove ações coletivas na Justiça.
Aracaju – (79) 224.7537.
Bahia – (71) 321.4228.
Belo Horizonte – Procon da prefeitura: rua Tamóios, 666, 5o andar, centro da capital, telefone (31) 1512. Da Assembléia Legislativa: rua Dias Adorno, 300, Santo Agostinho, telefone 3290.7941. Procon Estadual (Ministério Público): rua Alvarenga Peixoto, 974, 1o andar, Barro Preto. Telefone 3335.3247. Rua Guajajaras, 2009, 6o andar, Barro Preto. Telefone (31) 3295.3366.
Belém – (91) 225.4093.
Brasília – (61) 321.0685. Núcleo de Prática Jurídica do Centro Universitário (61) 340.1603. Minas Gerais – Defensoria Pública de Belo Horizonte (31) 3335.5588 ou 3335.5520. Rio Grande do Sul – Serviço de Assistência Jurídica gratuita (51) 3320.3532.Salvador – (71) 336.6505. São Paulo - Escritório Modelo Dom Evaristo Arns, (11) 3670.8531. Procuradoria de Assistência Judiciária 0800.17.8989.
Boa Vista - (95) 224.0177.
Campo Grande – (67) 384.3646.
Curitiba - (41) 362.2210.
Cuiabá – (65) 322.1951.
Fortaleza – (85) 231.0705.
Florianópolis – (482) 23.1962.
Goiânia – (62) 229.4519.
João Pessoa – (83) 221.2308.
Macapá – (96) 223.2675.
Maceió – (82) 221.4188.
Manaus – (92) 622.3724.
Natal - (84)222.1011.
Palmas – (63) 862.1850.
Porto Alegre – (51) 224.0177. Porto Velho – (69) 221.4558.
Recife – (81) 231.5846.
Rio de Janeiro – (21) 252.0979. São Luíz – (98) 221.1774.
São Paulo –rua Amador Bueno, 176/258, Santo Amaro. Poupatempo: praça do Carmo, sem número, Centro. Cadastro (para saber se tem reclamação contra uma empresa, telefone (0xx11) 3824.0446. Atendimento por carta: Caixa Postal 3050, cep 01061-970. Ouvidoria (0xx11) 3826.1457. (11) 822.9000 (interior).
Teresina – (86) 222.1838.
Vitória – (27) 222.1137.
Promotoria de Justiça e proteção ao consumidor – atende casos de interesse coletivo e a denúncia deve ser feita pessoalmente na avenida da Liberdade, 190, térreo, bairro Liberdade, em São Paulo. Informações: (0xx11) 3274.1103.


Delegacias da Mulher

Aracaju (SE) – (79) 213.1238 . Belém (PA) – (91) 246.4862 Belo Horizonte (MG) – (31) 3330.1757 Brasília (DF) – (61) 244.9566 Curitiba (PR) – (41) 223.5323 Diadema (SP) – (11) 4048.1904 Florianópolis (SC) – (48) 228.5301 Fortaleza (CE) – (85) 281.3837 Goiânia (GO) – (62) 212.4366 Natal (RN) – (84) 221.2326 Porto Alegre (RS) – (51) 3288.2400 Recife (PE) – (81) 3222.2622 Rio de Janeiro (RJ) – (21) 3399.3370 Salvador (BA) – (71) 245.5481 Santo André (SP) – (11) 4438.4032 São Paulo (SP) – (11) 3768.4664
DNA gratuito: (31) 3499.2533. para fazer o exame não é preciso pedido judicial.
Centro de Apoio à vítima de violência (Caviv) - Rua Paraíba, 29, 10o andar, Santa Efigênia, Belo Horizonte - fone: 3277.9761
Benvinda - Centro de Apoio à Mulher - Av. Contorno, 2231 Floresta, elo Horizonte - fone: 3277.4379/ 3277.4380.




ENTIDADES QUE INFORMAM SOBRE SAÚDE


INFORMAÇÕES GERAIS: Disque Organização Nacional de Saúde – funciona em todo o país (0800) 701.9656. SOS Saúde (31) 3277.7722. Cepecs – realiza exames de graça na avenida Ezequiel Dias 422 bairro Santa Efigênia, Belo Horizonte (31) 3273.3099/ 3273.5883.

AIDS: Espírito Santo: Hospital das Clínicas: (27) 335.7188. Minas Gerais: Centro de Convivência Cazuza av. Brasil 60 Jardim Casa Branca Betim. Telefone (31) 3531.5533. Belo Horizonte: Gapa: rua Tamóios 671 centro BH. (31) 3271.2126. Grupo Solidariedade: Rua Além Paraíba, 208 Bonfim (31) 3422.4646. Grupo VHIVER: av. Bernardo Monteiro 1477 Funcionários (31) 3271.8310. Musa (Mulher e Saúde) rua Prof. Galba Veloso 290 Santa Tereza (31) 3467.5875. Clínica Ammor: rua Além Paraíba, 917 Bonfim (31) 3444.3877. Clínica N.Sra. da Conceição: rua Além Paraíba 181 Lagoinha (31) 3422.6122. Casa Refúgio (para crianças soropositivas): (31) 3463.8116. ANAV (para adultos): (31) 3443.4343. Minha Casa: (31) 3462.4744 e IMAP: (31) 3441.2636. Porto Alegre: (51) 316.8000. Rio de Janeiro: Hospital Evandro Chagas (21) 290.2162. Disque Aids Mulher: (21) 290.5544. Disque Aids Pela Vida (21) 221.2221. São Paulo: Nupaig: (11) 576.4591. Cimig: (11) 215.7799, ramal 4201. Grupo de Incentivo à Vida (GIV): rua Capitão Cavalcante, 145, Vila Mariana. Gapa: rua Barão de Tatuí, 376, Santa Cecília (11) 66.0755. www.gapabrsp.cjb.net

ANESTESIA: Sociedade Brasileira de Anestesiologia: Amazonas (92) 233.9065. Bahia (71)247.4669. Ceará (85) 261.5662. Distrito Federal (61) 245.7972. Espírito Santo (27) 227.7524. Goiás (62) 281.3555. Minas Gerais (31) 225.9901. Mato Grosso (67) 384.2562. Pará (91) 224.4907. Paraíba (83) 221.2873. Paraná (41) 254.7473. Pernambuco (81) 228.0624. Rio de janeiro (21) 541.6095 e (021) 537.8100. Rio Grande do Sul (51) 339.3581. Santa Catarina (48) 22.6002. São Paulo (11) 263.1388.

ASMA: Sociedade Brasileira de Asmáticos (11) 3501.8854/ 5549.8199/ (21) 2517.4206 www.asmaticos.org.br

CÂNCER: Bahia: Gama (71) 358.2395. Belo Horizonte: Reviver (31) 3442.2200, Clube da Mama Feliz www.clubedamamafeliz.gov.br. Porto Alegre - Ajuda de Mulher para Mulher: rua Borges de Medeiros 308 sala 85 (051) 226.3377. Rio de Janeiro: (21) 612.8060. Adama (Assoc. dos Amigos da Mama) (21) 2612-8060 www.adama-localiz.hpg.ig.com.br/index.htm/. São Paulo: Núcleo de Apoio à Feminilidade da Mulher Operada: (11) 284.1314. Centro Oncológico de Recuperação e Apoio (11) 3813.0927. Revida (11) 5581.6766. Projeto Reviver (11) 284.9111, (11) 3105.5042. Grupo de Apoio às Mulheres com Câncer de Mama em Santo André (011) 4975.0334. Grupo de Orientação Oncológica: (11) 291.6988/ 291.6303. Núcleo de Apoio à Feminilidade da Mulher Operada (Nafem) (11) 284.1314. Centro Oncológico de Recuperação e Apoio (Cora) (011) 3813.0927. Grupo de Apoio e Auto Ajuda as Mulheres com câncer de Mama (11) 4975.0334 Santo André. Projeto Conviver (11) 284.9111. Hospital Pérola Byington (11) 3105.5042. Adama: (011) 5581.6766. Unaccam Liberdade (União e Apoio no Combate ao Câncer de Mama): www.unaccamliberdade.hpg.ig.com.br. Graap (Grupo de Apoio ao Adolescente e à Criança com Câncer): www.geocities.com/Paris/Tower/4200/index0.htm

CORAÇÃO: Clube do Coração: rua Ramiro Barcelos 2350 (051) 331.6699 ramal 2349.

DENÚNCIAS CONTRA MÉDICOS: Associação de Vítimas de Erros Médicos: Rio de Janeiro – (21) 262.3768. Paraíba – (083) 222.4472. São Paulo - (011) 257.1810. Rio Grande do Sul – (0532) 71.1599.

DIABETES: Belo Horizonte: Associação dos Diabéticos – Avenida Afonso Pena, 867, 10o andar, centro de Belo Horizonte. Telefones (31) 3475.3399 e 3222.1246. São Paulo - Anad (Associação Nacional de Assistência ao Diabético): (11) 5572.6559. ADJ (Associação de Diabetes Juvenil) rua Batatais 602 Jardim Paulista (11) 884.9077 e 3675.3266 www.anad.org.br.

DNA DE GRAÇA: Belo Horizonte - (31) 3248.6229 e 3248.6224.

DOR DE CABEÇA: São Paulo - Pronto Atendimento das Cefaléias (011) 221.1862. Clínica da Dor do Hospital (011) 576.4312. Clínica da Dor do Hospital das Clínicas (011) 3067.6341. Rio de Janeiro: Clínica da Dor do Hospital Pedro Esnesto (021) 587.6528.

ESCLEROSE MÚLTIPLA: Belo Horizonte: Belo Horizonte - Núcleo de Diabéticos – rua São Paulo, 818/1001, Centro (31) 3224.1751. Par (Programa de Atendimento a Pacientes com Esclerose Múltipla): 0800.113.320. São Paulo - rua Sampaio Vidal, 786, telefone (11) 280.7747. Associação Brasileira de Esclerosa Múltipla (11) 531.1928 e 533.0582. www.abem.org.br

ESQUIZOFRENIA: S.OeSq (palestras e encontros com famílias e portadores de esquizofrenia): (11) 5081.3502.

FÍGADO: (11) 3051.6825 WWW.transpatica.org.br

HANSENÍASE: Todo o país - Telehansen – 0800.262.001.

MAL DE PARKINSON: Associação Brasil Parkinson Tel.: (11) 578-8177. Os membros têm de seguir 12 passos e participar de reuniões regulares. www.parkinson.org.br/conheca.htm

MENINGITE: São Paulo - Instituto de Prevenção à Meningite: Oferece fisioterapia, fonoaudiologia, psicologia, ginástica e oficina de artes (11) 5042-1733.

NEUROFIBROMATOSE: Ganf - Grupo de Apoio para Neurofibromatose (11) 3088-3725 www.ganf.hpg.ig.com.br/index.html

RIM: União dos Insuficientes Renais de São Paulo: (11) 3259.9907/ 3259.3129

TRANSPLANTES: Belo Horizonte: 3273.4248 (MG Transplantes). Rio de Janeiro (21) 291.3131 (transplante de medula).

ZUMBIDO NO OUVIDO: São Paulo - Gapz - Grupo de Apoio a Pessoas com Zumbido (11)3068-9856 www.forl.org.br/noticia.php?!ID=39


PROBLEMAS DE ORDEM MENTAL


ALCOÓLICOS ANÔNIMOS: (11) 228.7425/ 229.4688. www.al-anon.org.br/default.asp e (11) 3315.9333 www.aabr-online.com.br

CENTRO DE VALORIZAÇÃO À VIDA: Rio de Janeiro (21) 233.9191/ 257.4141 e 256.4141.
COMEDORES COMPULSIVOS ANÔNIMOS: (11) 5031.8447/ 4427.9468

COMPULSIVOS ANÔNIMOS: Belo Horizonte - Edifício Maleta, avenida Augusto de Lima 233 sobreloja 21, centro. Porto Alegre: (051) 227.3659 e 226.7746. Reuniões na Associação Médica, avenida Ipiranga, 5311. Rio de Janeiro - Rua Senador Dantas 17. Telefones (21) 262. 8468 e 268.5174. São Paulo (11) 5031-8447, 4427-9468 e 215.9640.

DASA (Dependentes de Amor e Sexo Anônimos): www.slaa.com.br

DROGAS: Belo Horizonte: Centro Mineiro de Toxicomania (31) 3273.5844, Alameda Ezequiel Dias, 365 Santa Efigênia. Bahia: Centro de Estudos e Terapia de Abuso de Drogas (71) 336.8673, rua Pedro Lessa 123 Salvador. Espírito Santo: Centro de Prevenção e Tratamento de Toxicômano (27) 222.0861, rua Álvaro Sarlo, sem no Ilha de Santa Maria, Vitória. Rio de Janeiro: Núcleo de Estudos e Pesquisas em Atenção ao Uso de Drogas da Universidade do Rio de Janeiro (21) 589.3269/ 580.3748/284.8322, rua Fonseca Teles 121 4o andar. Rondônia: (81) 228.3200, rua Rondônia 100, Recife. São Paulo: Programa de Atendimento a Drogadictos da Universidade de São Paulo (11) 572.2828/ 572.6033, rua Botucatu 740.

INTROVERTIDOS ANÔNIMOS: (11) 3112.2445 www.introvertidos.hpg.com.br

NARCÓTICOS ANÔNIMOS: São Paulo (11) 5594.5657. Rio de Janeiro (21) 2533.5015 www.na.org.br

NEURÓTICOS ANÔNIMOS: Minas Gerais (31) 3222.2957. Rio de Janeiro (21) 223.8898. (21) 223.0220 e 223.8898. São Paulo: (11) 229-7523. www.neuroticosanonimos.org.br

VIGILANTES DO PESO: São Paulo (11) 3159.2552. Rio de Janeiro (21) 2259.4495 www.weightwatchers.com/internacional/brazil/index.asp

SEXO: Tele Mulher - Tira dúvidas sobre saúde e sexualidade de 8h às 20h. Informações: 0800.240.717. A ligação é de graça.

SÍNDROME DO PÂNICO: São Paulo - Associação Nacional de Síndrome do Pânico (0xx11) 3794.4658.

TRANSTORNOS AFETIVOS: São Paulo - Abrata (Assoc. Bras. de Amigos, Familiares e Portadores de Transtornos Afetivos): (11) 3256.4831 www.abrata.com.br. Oferece assistência médica, nutricional e psicológica, consultas e atividades físicas. Dasa - Dependentes de Amor e Sexo Anônimos (11) 5081-3502. Site: www.slaa.com.br.