NO VOLUNTARIADO




VOLUNTÁRIAS


Alaíde Elias da Silva - Dona-de-casa, é presidente da organização não governamental “Viva Rachid”, em Pernambuco, que trata de crianças carentes infectadas com o vírus da Aids. Começou seu trabalho em 1994, após a morte do filho de um ano, Walter, que foi contaminado durante uma transfusão de sangue. O local oferece apoio psicológico e distribui cestas básicas para as famílias dos doentes.








Alice Gomes Coelho – Ex-atleta e enfermeira nascida no Rio de Janeiro (RJ), filha de mãe alcoólatra e pai desconhecido, Alice de Jesus Gomes Coelho foi menina de rua, faxineira, lavadeira e babá. Aos 69 anos criou a Vila Olímpica da Mangueira, instituição que ensina esporte a crianças carentes no morro da Mangueira. Ex-menina de rua, Tia Alice, como é conhecida, começou a jogar no Botafogo em 1948 e tornou-se atleta de muitos esportes, como basquete e arremesso. Foi campeã sul-americana em 1956 nos 200m e nos 80m com barreira e bateu o recorde no salto em altura. Em 1986 foi medalha de ouro do sul-americano e masters do arremesso e peso. Em 1997 participou da África do Sul de uma competição de arremesso de peso para veteranos conquistando o 14º lugar.




Ana Celina Bentes Hamoy – Advogada nascida em Belém (PA), é coordenadora do Departamento de Intervenção Jurídica e Social (Dijus) do Centro de Defesa da Criança e do Adolescente Emaús (Cedeca), em sua cidade. Foi ameaçada de morte várias vezes. Também presta assessoria para organizações não-governamentais que defendem os direitos de crianças e adolescentes em todo o País. 








Ana Lúcia Soares – Fonoaudióloga brasileira, é fundadora do Surdodum, projeto que ensina percussão a deficientes auditivos. O trabalho surgiu a partir de um trabalho que fez com alunos do Centro Educacional de Audição e Linguagem Ludovico Paroni (Ceal) em Brasília. Para ensiná-los ela faz analogias ao coração, pedindo que as crianças sintam o coração e reproduzam as batidas nos tambores. O grupo reúne 25 participantes, entre 14 e 30 anos. 




 



Ana Maria Teles de Norões – Terapeuta ocupacional nascida no Ceará, criou em 1990 o Iprede, Instituto de Prevenção à Desnutrição e à Excepcionalidade. A entidade já recebeu mais de 70.000 crianças desde a sua fundação e criou projetos paralelos, como a distribuição de alimentos e o treinamento de famílias para transmitir conhecimentos de saúde preventiva em suas comunidades. 



Ana Vasconcelos – Advogada, compositora e escritora nascida em Timbaúba (PE), de família rica, aos 16 anos fugiu de casa por causa do pai que era muito severo. Morando no Rio de Janeiro, trabalhou como entregadora de jornais. Em 1988 criou a Casa da Passagem no Recife para acolher meninas prostitutas. O local abriga 300 menores que desenvolvem atividades sociais. Lá, funcionam ainda os grupos Operativos de Mães, que trabalham para facilitar o retorno das meninas para as famílias. Também fundou o jornal feminista 'Tempo de Mulher' em 1987 e é consultora das instituções norte-americanas Family Health International e ICRW - International Center for Research on Woman. É a fundadora do SOS Criança, em Recife, membro do Fórum de Mulheres de Pernambuco e da Rede Nacional Feminista de Direitos Escreveu quatro livros: ‘Uma Mulher na Vida’, ‘SOS Meninas’, ‘Educação pela Vida’ e ‘Meninos de Rua - Foi Porque o Amor Valeu’. 




Bett Williams e Maired Corrigan – Nascida na Islândia em 22/05/1943, Bett recebeu o prêmio Nobel da Paz, em 1976, aos 34 anos. Ela e Mairead Corrigan são fundadoras do Community for Peace People (comunidades de pessoas para a paz), organização que incentiva a pacificação dos na Irlanda do Norte. 
























Maired Corrigan - Nascida em 27/01/1944, foi a co-fundadora do Community for Peace People (comunidades de pessoas para a paz), organização que incentiva a pacificação na Irlanda do Norte. Vencedora do Prêmio Nobel da Paz em 1976, aos 34 anos. 







 


Célia Destri – Advogada, fundou em 1991 a Associação das Vítimas de Erros Médicos (Avermes), depois de perder um rim por negligência médica. A entidade, que conta com cinco advogados voluntários, já ganhou 150 processos. 





Cóca Viscardi – Médica, é presidente da Rede Feminina de Combate ao Câncer criada em 1946, entidade que ajuda os pacientes. Comanda 450 voluntárias. Desde que assumiu o cargo, criou novos serviços para pacientes e familiares, modernizou o Telecan, sistema de informações sobre a doença, e dobrou a arrecadação de doações. 



Darcy Carvalho – Dona-de-casa, é fundadora da Ação Solidária Contra o Câncer Infantil (ASCCI) no Instituto da Criança, desde 1996, quando seu filho de 6 anos ficou doente. A entidade oferece cesta básica, alojamento, remédios, recreação e apoio psicológico às crianças. 




Digna Ochoa - advogada nascida em 15/05/1964 em Misantla, Veracruz, Digna Ochoa y Plácido era defensora dos direitos humanos no México. Em 19/10/2001 foi sequestrada, interrogada por 9 horas, e assassinada em sua própria casa. Tinha 37 anos. 









Dora Isabel de Araújo Andrade – bailarina e coreógrafa nascida no Ceará, filha de uma professora e de um advogado, criou a Edisca, Escola de Dança e Integração Social para Crianças e Adolescentes em Fortaleza (CE). A entidade oferece de graça aulas de dança, inglês e história da arte para meninas pobres, além de assistência médica, alimentação e vale transporte. O grupo já se apresentou em cidades do Brasil e do exterior. Começou a trabalhar com crianças nos anos 60.






Edvalda Pereira Torres – Professora nascida em Serra Talhada (PE), filha de agricultores, criou o projeto Caatinga, Centro de Assessoria e Apoio aos Trabalhadores e Instituições Não-Governamentais Alternativas, no município de Ouricuri, Pernambuco. Em dez anos de funcionamento do projeto, os agricultores recuperaram 48 açudes comunitários, implantaram 35 roçados, construíram barreiros, cisternas e desenvolveram horas para o cultivo de alimentos resistentes à estiagem.








Emilie Schindler – Dona-de-casa nascida em 22/10/1907 numa aldeia da República Thcecana, salvou cerca de 1.200 judeus durante a segunda Guerra Mundial, junto com o marido Oskar Schindler. Viveram na Polônia, Alemanha e Argentina. Morreu aos 93 anos, em 10/2001 num hospital de Strausberg, na Alemanha, de causa não foi revelada. Sua maior frustração foi não ter sido reconhecida pelo bem que fez aos judeus, uma vez que o feito é lembrado apenas como obra do marido. Em 1997 a vida de Oscar Schindler foi contada no filme 'A lista de Schindler'. 




Emi Thea – Bailarina, filha de empregados do palácio do Camboja, nos anos 70 acabou num campo de trabalho forçado durante o domínio Khmer no país. Perdeu 3 filhos pequenos, 2 netos, um genro e uma nora, mas assim que voltou, tentou levantar o grupo de balé do palácio, uma tradição de 1.200 anos. Atualmente as bailarinas (apsaras) são obrigadas a ter vários empregos para se sustentar. 



Gilvânia Maria da Silva – Professora nascida em Pernambuco, trabalha com jovens negros que vivem em antigos quilombos em Conceição das Creoulas, comunidade que vive do cultivo de feijão e da mandioca. Em 1997 fundou uma associação de agricultores, que se transformou num espaço para discutir os problemas da comunidade. Em 1999 foi convidada para representar o Brasil na data do descobrimento, em abril de 2000.É mestre em Políticas Públicas e Gestão da Educação.






Helena Greco – Farmacêutica nascida em Abaeté (MG), é idealizadora da Coordenadoria de Direitos Humanos e Cidadania da Prefeitura de Belo Horizonte. O projeto capacita membros da comunidade para defender os direitos de pessoas humildes e atende 250.000 habitantes de vilas e favelas. Dirige também o 'Movimento Tortura Nunca Mais' de Minas Gerais. Sua casa já sofreu 7 ameaças de bombas. Em 1977 fundou e presidiu o Movimento Feminino pela Anistia em Minas Gerais. Foi vereadora de Belo Horizonte pelo Partido dos Trabalhadores por duas vezes, de 1983 a 1992. De 1981 a 1982, foi vice-presidente do Comitê Brasileiro pela Anistia e membro da Comissão Executiva Nacional dos Movimentos de Anistia e Direitos Humanos de 1979 a 1982. 







Irmã Dulce – Professora nascida em 26/05/1914 em Salvador (BA), Maria Rita Lopes Pontes tornou-se irmã Dulce aos 20 anos. Entrou para o Convento no Recife aos 18 anos. Começou seu trabalho num barracão, para onde levava doentes e desabrigados. Ao ser despejada pelo proprietário, transformou o galinheiro do Convento Santo Antônio em albergue para os pobres. Em 1970 fundou o Hospital Santo Antônio, ao lado do albergue que atende 4 mil pessoas por dia. Também abriu um orfanato para 300 menores. Para ajudar os pobres pediu ajuda a empresários e chegou a pedir esmola nas ruas. Foi cogitada 3 vezes para o prêmio Nobel da Paz. Ficou conhecida como Santa Dulce da Bahia. Dormiu por 30 anos numa cadeira de madeira até ser proibida pelo médico. Em 1992 recebeu a visita do Papa João Paulo II no hospital. Morreu em 13/03/1992, aos 77 anos. 




Isabel Fry – Professora e ativista social nascida em 21/10/1869 na Inglaterra, filha de um milionário, foi a primeira pessoa a entrar numa prisão feminina. Acabou conquistando a amizade das presas e fundou uma escola para detentos e detentas. Casada com um homem rico, lia a Bíblia nos cárceres e chegou a passar a noite ao lado de uma mulher que seria enforcada na manhã seguinte. Ficou conhecida como “o anjo dos presos”. Costumava dizer: “Nunca procuro saber do crime dos outros, pois todos temos os nossos”. Morreu em 1958. 







Jane Addams – Ativista dos Direitos Humanos, filósofa, feminista e pacifista nascida em 06/09/1860 em Cedarville, Illinois (EUA), lutou contra a discriminação das mulheres, dos negros e dos imigrantes. Fundou, juntamente com a namorada, Ellen Gates Starr, a casa do Estabelecimento dos Estados Unidos, que oferecia estudo e lazer para crianças e adultos, foi co-fundadora da Hull House, em 1889 e co-fundadora da União Americana pelas Liberdades civis, em 1920. Jane e Ellen desenvolveram três princípios éticos para suas obras sociais: ensinar pelo exemplo, praticar a cooperação e praticar a democracia social. Recebeu o prêmio Nobel da Paz, em 1931, aos 71 anos, sendo a segunda mulher a receber o título e a primeira dos Estados Unidos. Morreu em 21/05/1935. Era chamada de Mãe do trabalho social.




Josephine Baker – Atriz nascida em 03/06/1906 no Missouri (EUA), Freda Josephine McDonald foi uma das precursoras dos movimentos de proteção aos animais. Foi homenageada várias vezes por seu feito: em 1937 recebeu a Legião da Honra e a Cruz da Resistência por seu trabalho durante a guerra. Na Itália, recebeu o título de 'Mamãe Universal' por ter educado como irmãos 12 crianças de diferentes raças. Começou sua carreira como artista de rua, dançando, na infância. Aos quinze anos de idade, começou a atuar nos palcos de Nova Iorque. Em 1925 estreou em Paris, aparecendo quase nua em cena, tornando-se a estrela da Folies Bergère. Morreu em 12/04/1975 em Paris. Ficou conhecida como Vênus Negra, Pérola Negra e Deusa Crioula. 


Lúcia dos Santos – Freira carmelita nascida em 22/03/1907 em Fátima, Portugal, Lúcia de Jesus dos Santos teria visto, junto com os primos Francisco e Jacinta, a imagem da Virgem Maria à sombra de um carvalho em 1917. Pastora de ovelhas, teve a visão aos 10 anos, e desde a adolescência viveu em clausura num convento em Coimbra. A popularidade a incomodava e quando era beijada pela população, lavava o rosto. Das três crianças, conhecidas como Os Três Pastorinhos, era a única que conversava com Nossa Senhora. Na época, não sabia ler nem escrever. Aos 93 anos foi reverenciada como santa viva na cerimônia de beatificação de seus primos. Morreu em 13/02/2005 em Coimbra, Portugal, aos 97 anos. Seu corpor foi transladado de Coimbra para o santuário de Fátima em 19/02/2006. Era conhecida como Irmã Lúcia do Coração Imaculado. 




Lucinha Araújo – Ex-costureira nascida no Rio de Janeiro em 02/08/1936, Maria Lúcia Araújo é fundadora da Sociedade ‘Viva Cazuza’ que atende crianças carentes com Aids. Casada com o diretor-geral da 'Som Livre' começou seu trabalho com a morte do único filho, o cantor Cazuza, vítima da Aids em 1990. Escreveu os livros Cazuza e Só As Mães São Felizes.












Madre Teresa de Calcutá - Missionária nascida em 27/08/1910 em Skopje, Macedônia (atual Índia), aos 18 anos entrou para a vida religiosa, abandonando o nome de Agnes Gonxha Bojaxhiu em homenagem à Santa Teresa do Menino Jesus. Fundou a Ordem das Missionárias da Caridade, que atende pobres em 80 países. Apelidada de “Mãe”, ganhou o prêmio Nobel da Paz de 1979. Encontrou-se com o Papa João Paulo II em 1986 e tornaram-se amigos. Acreditava que o sofrimento encurtava o caminho para o céu. Para conseguir ajuda para as instituições, não acanhava-se de pedir ajuda a qualquer um que tivesse dinheiro, o que mereceu críticas severas. Morreu em 05/09/1997 aos 87 anos de ataque cardíaco. Sua vida é contada no documentário inglês “Anjo do Inferno”. 


Maria das Graças Marçal - Catadora de papel nascida numa favela em Belo Horizonte, lidera a Asmare, Associação dos Catadores de Papel, Papelão e Materiais Reaproveitáveis desde 1990. A entidade foi criada após um protesto contra a Prefeitura que pretendia tirar os catadores das ruas. Conhecida como dona Geralda, foi escolhida uma das 5 Mulheres do Ano da Revista Cláudia em 2006. O prêmio, um troféu e um cheque, foi concedido pela Unesco a brasileiros que se destacaram em projetos de alcance social. Tem 9 filhos. Aprendeu a ler aos 51 anos. 




Marilene Lima e Souza – Ex-doméstica e caixa de padaria nascida em 1952 em Nilópolis (RJ), é fundadora do movimento Mães de Acari. A entidade foi criada em 1990, quando a filha dela foi assassinada por falsos policiais. A entidade ajuda famílias de crianças desaparecidas a localizar seus filhos. 









Maria Niziana Castelino – Ex-prostituta nascida em São Bento do Una (PE), filha de lavadeira (o pai desapareceu), começou na profissão aos 16 anos. Conhecida como Candelária, é presidente da ASP, Associação Sergipana de Prostitutas, que presta atendimento a profissionais do sexo em Aracaju, distribui preservativos, oferece palestras sobre prevenção de doenças e encaminha para cursos profissionalizantes. Sua vida é contada num livro publicado em 1989 pela Secretaria de Cultura da cidade. Foi adotada por uma mulher que depois a acusou de manter relações sexuais com seu marido (negado por Candelária). Foi morar nas ruas, onde roubou e pediu esmolas até ser descoberta por uma cafetina que a levou para o bordel. O apelido vem da comparação com a beleza da igreja da Candelária. Teve três filhos, sendo que um morreu de câncer. 



Marina Machado – Enfermeira nascida em São Paulo (SP), trabalhou para o Parque do Xingu, no Mato Grosso, percorrendo aldeias indígenas a bordo de um barco para tratar índios doentes. Em 1986 entrou para a ONG Saúde Sem Limites (SSL) com a missão de abrir uma sede da entidade em São Gabriel da Cachoeira, no Amazonas. Em 2001 retornou a São Paulo para assumir a coordenação executiva da SSL, que leva profissionais de saúde a aldeias indígenas no Amazonas e em Pernambuco, além de comunidades de seringueiros no Acre.




Milu Villela – Empresária nascida em São Paulo (SP), é fundadora do Instituto Brasil Voluntário Presidente, coordenadora do programa 'Faça Parte', voltado para estimular o voluntariado juvenil e vice-presidente do da Fundação Getúlio Vargas. Em 2001, ela comandou as atividades do comitê brasileiro do Ano Internacional do Voluntário, evento comemorativo, instituído pela Organização das Nações Unidas (ONU) em 123 países Maior acionista individual do banco Itaú e presidente do Museu e Arte Moderna, tem o apelido de ”pidona” por angariar verbas para os centros de solidariedade nacionais. Separada do médico Raul Marino, tem dois filhos.




Mirna Gerevini Pereira – Professora, é fundadora da Associação para Ensino de Surdos Padre Bonhomme que promove o ensino para deficientes auditivos. Teve a perna amputada aos 15 anos após ser atropelada. Começou a trabalhar com deficientes auditivos em 1999 ao conhecer o Instituto Santa Terezinha. Casada, tem duas filhas, sendo uma delas, surda.
Rosângela Bernabé - Professora de Educação Física, bailarina e fisioterapeuta nascida em Venda Nova do Imigrante (ES), é fundadora do Grupo Giro de Dança sobre Rodas, que ensina dança a crianças deficientes. Em 1990 mudou-se para o Rio de Janeiro, especializar-se em dança na UFRJ.Trabalha com uma equipe de seis bailarinos, sendo quatro deles em cadeira de rodas. O Grupo já se apresentou no Brasil e no exterior. Fundou também a Oficina do Movimento, que conta com uma equipe de seis profissionais das áreas de terapia, fisioterapia corporal, arte-terapia e reabilitação de deficientes.Casada com o engenheiro Esen Janer Santana, tem um filho. 



Rosiska Darcy de Oliveira - Escritora e socióloga nascida no Rio de Janeiro (RJ), é fundadora do Celim (Centro de Liderança da Mulher), projeto que capacita líderes femininos em diversas funções. Foi líder na delegação brasileira na 4ª Conferência Internacional das Nações Unidas Sobre a Mulher, integrou a delegação brasileira no Cairo durante a Conferência da ONU sobre População e Desenvolvimento. É presidenta do Conselho Nacional dos Direitos da Mulher. Partiu para a militância política aos 18 anos. Casada com Miguel Darcy de Oliveira, exilou-se com ele na Suíça, em 1970. 



Sônia Regina de Brito Pereira – Advogada nascida no Rio de Janeiro, filha de jornalistas, preside o Movimento Brasileiro em Defesa da Vida e conduz um projeto de educação ambiental popular, dirigido a favelas que ocupam área de preservação ecológica. Já recebeu o Prêmio 500 da ONU concedido a personalidades que se destacam pela defesa do meio ambiente. Casada com um jornalista, não tem filhos. 



Thereza Aguilar – Bailarina clássica nascida no Rio de Janeiro (RJ), estuou com Tatiana Leskova, no Rio de Janeiro, fez especialização na Alemanha, onde trabalhou também na Companhia de Ballet Tanstheatre, em Hamburgo. Voltou ao Brasil em 1990 e cinco anos depois fundou o projeto ‘Dançando para Não Dançar’, que oferece aulas de balé para crianças de favelas cariocas. É funcionária da Secretaria de Ciência e Tecnologia do Rio de Janeiro. Casada, tem dois filhos.
 






Vera Lazzarotto – Pedagoga e professora nascida no Rio de Janeiro (RJ), em 1976 deixou a zona sul para viver numa palafita na Baía de Todos os Santos (BA) influenciada pelas teorias do educador Paulo Freire. Na ocasião dava aula numa escola para militares e foi convidada para ser professora-assistente num curso de mestrado. Com ajuda de donativos fez uma escola para 70 crianças num galpão em cima do lamaçal. Em 1998 foi a única professora da América Latina a figurar numa publicação da Unesco sobre educadores que trabalham em condições extremas. 


Viviane Senna - Psicóloga e empresária brasileira nascida em São Paulo, em 147/06/1958, Viviane Senna da Silva Lalli dirige em Londres a Fundação Ayrton Senna, criada pelo irmão piloto que morreu em 1994, vítima de um acidente enquanto participava de uma corrida. A entidade repassa as verbas para o Instituto Ayrton Senna, o IAS, criado em 1995. Em 1999 foi indicada entre os 50 candidatos à seleção dos Futuros Líderes Latino-Americanos do Novo Milênio, pela TV americana CNN. Desde 2003 integra o Conselho do Desenvolvimento Econômico e Social, criado pelo ex-presidente Lula. As marcas Senna e Senninha e a imagem do piloto eram da empresa Ayrton Senna License, que foi doada pela família para o Instituto Ayrton Senna. Viúva, é mãe de Bruno Senna. 



Yvonne Bezerra de Mello – Artista plástica, ex-tradutora, ex-redatora de rádio na Suécia nascida no Rio de Janeiro, filha de um comandante da marinha e de uma funcionária pública, começou a trabalhar com crianças carentes em 1982. Preside o Centro Brasileiro de Defesa dos Direitos da Criança e do Adolescente do Rio de Janeiro, desde 1994, e dá assistência a 265 jovens, procurando facilitar o acesso deles à educação e ao trabalho. Conhecida como “anjo” pelos menores de rua eles têm o telefone da casa dela para qualquer eventualidade. No começo dos anos 90 denunciou a Chacina da Candelária, onde 11 menores foram assassinados. Já recebeu diversas ameaças anônimas. Atualmente empenha-se em mobilizar a sociedade contra a utilização de crianças no tráfico de drogas, e em combater a prostituição infantil. Divorciada do diplomata sueco Bo Lofgren, com quem teve três filhos, é casada com o vice-presidente da rede de Hotéis Othon, Álvaro Bezerra de Mello. Preside a ONG Uerê, no complexo da Maré, no Rio de Janeiro.



Zilda Arns – Médica pediátrica desde 1959, nascida em Forquilhinha (SC) em 25/08/1934, descendente de alemães, comandou a maior rede de voluntariado do mundo, a Pastoral da Criança, que atende um milhão de crianças em 3.351 municípios. A entidade foi criada em 1982 para combater a desnutrição infantil e integrou a lista de concorrentes ao Prêmio Nobel da Paz. Teve 6 filhos, sendo que o primeiro morreu três dias após o parto e uma filha, já adulta, morreu num acidente de carro. Vivia da aposentadoria de funcionária pública estadual. Religiosa, era contrária ao aborto, ao uso da camisinha, à pílula e outros anticoncepcionais e fundou também a Pastoral da Pessoa Idosa, tendo recebido em vida, diversas menções especiais e títulos, como cidadã honorária no país. Morreu em Porto Príncipe, no Haiti em 12/01/2010, durante um terremoto na cidade, onde participaria de palestras. Teve 12 irmãos, entre eles, o arcebispo Dom Paulo Arns. Em 2012 foi eleita a 17a maior brasileira de todos os tempos, por uma seleção internacional.