NA EDUCAÇÃO







Anália Franco Bastos - Professora, escritora e jornalista nascida em Resende (RJ), em 01/02/1856, foi pioneira na criação de creches para filhos de mães que trabalhavam fora. Colaborou com a imprensa escrita, falando sobre feminismo e sobre o analfabetismo. Em 1901 criou a Associação Feminina Beneficente e Instrutiva de São Paulo. Em 1906, comprou uma fazenda na Móoca para servir de colônia para mulheres. Fundou mais de 70 escolas. Hoje, nomeia colégios, bairro e shoppings paulistas. Morreu em 1919, vítima da gripe espanhola.






Anee Sullivan – professora nascida em 04/04/1866 em Massachusetts (EUA), filha de imigrantes irlandeses, Johanna Mansfield Sullivan Macy deu aulas para a escritora Helen Keller, que era cega. Órfã de mãe aos 8 anos, foi abandonada pelo pai, juntamente com os dois irmãos mais novos, que foram para um asilo em Tewksbury (o menino morreu alguns meses depois de tuberculose). Annie conseguiu escapar correndo e pedir ajuda a um grupo de assistentes sociais que visitavam a instituição. Tinha problemas de visão e aprendeu Braille na instituição Perkins para Cegos. Mais tarde uma operação lhe restituiu a visão. Morreu em 20/10/1936 em Nova Iorque (EUA).






Antonieta de Barros – Professora, jornalista e escritora nascida em 11/07/1901 em Florianópolis (SC), filha de um jardineiro e uma lavadeira, foi a primeira mulher eleita à Assembléia Legislativa de seu Estado e primeira prefeita negra do Brasil. Fundou em 1922 o Curso "Antonieta de Barros" com o objetivo de combater o analfabetismo. Foi professora de português e diretora do Colégio Dias Velho. Como jornalista usou o pseudônimo de Maria da Ilha. Fundou e dirigiu o jornal 'A Semana', foi diretora da revista Vida Ilhoa, escreveu artigos para jornais 'O Estado,' 'República' e o livro 'Farrapos de Idéias'. Em 1935 foi eleita deputada na Assembléia Estadual Constituinte pelo Partido Liberal Catarinense. Morreu ema 28/03/1952, aos 50 anos de idade.



Armanda Álvaro Alberto – Professora e ativista política nascida no Rio de Janeiro (RJ) em 1892, foi uma das pioneiras da ‘nova educação’ no Brasil. Publicou diversos trabalhos com base na realidade escolar carioca. Em 1921 fundou a Escola Regional de Meriti (RJ) que dirigiu até 1964. Participou ativamente da luta pela emancipação das mulheres, se tornando a primeira presidente da União Feminina do Brasil. Morreu em 05/02/1974.









Aspásia de Mileto (século 5 a C) – Cortesã e professora de retórica em Mileto, imigrou para Atenas em 440 A.C., onde viveu como estrangeira, fato que permitiu que tivesse mais liberdade do que outras mulheres. Admirada por Sócrates, foi processada por irreverência e absolvida após um apelo do amante Péricles durante o julgamento. Os dois tiveram um filho, mas não se casaram por que uma lei proibia a união de estrangeiros.










Cleonice Berardinelli – Professora de Letras nascida no Rio de Janeiro (RJ), Cleonice Serôa da Motta Berardinelli foi uma das primeiras mulheres a lecionar esta disciplina no Brasil. Neta de sergipanos, morou com a família em vários lugares, acompanhando o pai, em suas transferências. Aprendeu a gostar de leitura com os pais, que contavam histórias para ela e os dois irmãos mais novos. Influenciada pela esposa, o pai de Dona Cléo, como é conhecida, escreveu artigos sobre Napoleão, para revistas militares. Apaixonada por Matemática, música e teatro, estudou piano e fez participações como atriz em peças teatrais. Trabalha na PUC-Rio desde 1963, dando aulas de Literatura Portuguesa. Casada com um médico, não teve filhos, mas adotou as duas filhas dele como suas.




Dorina Nowill - Professora nascida em São Paulo (SP), perdeu a visão de repente, aos 16 anos, após uma hemorragia nos olhos, quando estava na escola Caetano de Campos. Anos mais tarde, criou no local, um curso de especialização em ensino de cegos, o primeiro da América Latina, e começou a formar pessoas nessa área. Também propôs a lei, aprovada, que garante a matrícula de cegos em qualquer escola, além de criar a Fundação para o Livro do Cego no Brasil (hoje Fundação Dorina Nowill), e a implantação da imprensa Braille no País. Hoje, a fundação produz 100 mil volumes por ano e fornece livros para 700 organizações. Casada, teve 5 filhos.





Enid Larsson – Professora de Biologia nascida nos Estados Unidos, lecionou na Escola Secundária de Carmel, na Califórnia dos anos 50 aos 70. Incentivava os alunos a buscar resposta para as dúvidas através de pesquisas. Não utilizava livros didáticos e ensinava através da observação da natureza com ajuda de binóculos. Costumava dizer: - “basta dar a um jovem a idéia. Depois, é só sair do caminho”.






Hanan Al Hroub – Professora nascida e crescida na Cisjordânia, num campo de refugiados palestinos, foi eleita a melhor do mundo pela Fundação Varkey, uma instituição beneficente destinada a promover a educação em todo o mundo. Passou a dar aulas para a comunidade depois que seus filhos foram alvos de tiros e para ajudá-los desenvolveu jogos que ajudaram no processo de recuperação, ensinando conceitos de não-violência para os estudantes numa escola local.





Hipácia – Escritora, professora de ciências e filósofa nascida em Alexandria, Egito, no ano 370 d.C., filha de Theon, escreveu comentários sobre Ptolomeu, Diofanto, entre outros ficando conhecida como a principal mente da escola filosofica neoplatônica de Alexandria. Foi assassinada (apedrejada) em 415 d.C por fanáticos cristãos formada por monjes e seguidores do bispo Cirilo (na época a Ciência era vista pelos cristãos como paganismo).







Ivette Senise Ferreira - Advogada e professora de Direito nascida em Catanduva (SP) em 12/09/1934, em 1998, foi eleita como 37º diretora da faculdade de Direito da USP desde sua fundação em 1827. É integrante da comissão de juristas que estuda soluções para o sistema penitenciário. É membro do Instituto Manoel Pedro Pimentel, como sua presidente desde 1996. Foi escolhida a Profissional de Direito do ano de 1994 pela Associação Brasileira das Mulheres de Carreira Jurídica. Foi casada com o professor doutor Manoel Gonçalves Ferreira Filho, com quem teve quatro filhas.




Madre Cristina – Professora, pedagoga, filósofa e psicóloga nascida em 07/10/1916 em Jaboticabal (SP), filha de advogado, Célia Sodré Dória passou a lecionar para jovens e adultos depois de trabalhar com crianças. Na época da ditadura militar recebeu ameaças de morte por ter intermediado encontros entre perseguidos políticos. Em 1977 fundou o Instituto Sedes Sapientae em São Paulo que até hoje oferece cursos de especialização nas áreas de pedagogia, psicologia e filosofia. Morreu em 26/11/1997.







Maria de Arruda Muller – Professora e poetisa nascida em Cuiabá (MT) em 09/12/1910, editou até 1950 a revista “A Violeta” que defendia a independência da mulher. Começou a lecionar em Cuiabá aos 16 anos. Criou em 1916, junto com outras professoras o grêmio literário Júlia Lopes. Foi a primeira mulher a conquistar uma cadeira na Academia Matogrossense de Letras, em 1930, presidiu a LBA durante a Segunda Guerra Mundial, tendo providenciado cuidados com as famílias dos soldados. Também fundou o Abrigo Bom Jesus, para crianças carentes, e o Abrigo dos Velhos. Em 1942, fundou a Sociedade de Proteção à Maternidade e Infância de Cuiabá. Parou de trabalhar em 1936, aos 38 anos, a pedido do marido, Júlio Muller, que assumiu o cargo de governador do Mato Grosso. Em 1998, centenário de seu nascimento, teve seus poemas publicados no livro “Sons Longínquos”. Em 2000, recebeu da Secretaria da Cultura o prêmio ‘Maria Muller de Mulher Cultura do Século’. Morreu de enfarto em 04/12/2003.







Maria Caetana Agnesi - Linguista, filósofa e matemática nascida em Milão, Itália em 16/05/1718 é é a primeira escritora a publicar um livro sobre cálculo diferencial e integral. Escreveu "Propositiones philosophicae" (Proposições Filosóficas e "Instituzioni Analitiche" (Instituições Analíticas. Morreu em Pio Albergo Trivulzio em 09/01/1799.









Maria Montessori – Médica e educadora nascida na Itália em 1870, dedicou-se à psiquiatria e estudou crianças internadas em hospitais de doentes mentais. Foi a primeira mulher a se formar em medicina em seu país. Em 1907 inaugurou sua primeira ‘casa das crianças’ desenvolvendo um sistema de educação para crianças de 3 a 6 anos de idade baseado na liberdade de movimento, no estímulo à tomada de decisões e no emprego de atividades e equipamentos especialmente desenvolvidos. Em 1912 fundou a Casa Dei Bambini, instituição modelo da preparação pré-escolar. Lançou as bases da moderna pedagogia com o método Montessori divulgado no mundo inteiro através de congressos. As escolas montessorianas foram desenvolvidas mais tarde também para crianças maiores. Deixou a Itália em 1934, passando a morar na Holanda. Morreu em 1952.






Mary McLeod – Educadora nascida em 10/071875 na Carolina do Sul (EUA), Mary Jane McLeod Bethune foi defensora dos direitos dos negros. Fundou a Escola Normal e Industrial de Daytona para moças negras em 1904 (atual colégio Bethune-Cookman) e dirigiu a Divisão de Assuntos dos Negros da Secretaria da Juventude nacional entre 1936 e 1944. Morreu em 18/05/1955.











Paula Montal Fornés – professora nascida em Arenyz Del Marna, Espanha em 11/10/1799, Madre Paula fundou a congregação das Escolas Pias, primeira devotada exclusivamente para o ensino feminino no Brasil. Teve infância difícil e ao contrário das mulheres da época, aprendeu a ler e a escrever. Existem pedidos na cidade de Oliveira (MG), para que seja canonizada. Morreu em 26/02/1889.








Roseli Fischmann – Pegagoga nascida em São Paulo, é a única brasileira a integrar o júri internacional do prêmio Unesco da Educação para a Paz (o colegiado é composto por 5 membros). Aos 22 anos já dava aula na universidade. É pesquisadora e professora do Programa de Pós-Graduação em Educação da USP, onde coordena o Projeto Discriminação, Preconceito, Estigma desde o final dos anos 1980s, bem como articulou a proposta e atividades de criação da Rede Científica UNESCO das Américas e Caribe para Tolerância e Solidariedade, nos anos 1990, em articulação com comunidades étnico-raciais e minorias religiosas.





Vera Lazzarotto – Professora, bailarina e fisioterapeuta nascida no Rio de Janeiro em 1976 deixou a zona sul do Rio de Janeiro onde morava para viver numa palafita na Baia de Todos os Santos influenciada pelas teorias do educador Paulo Freire. Na ocasião dava aulas numa escola para militares. Na Bahia trabalhou como professora na Universidade Federal, mas continuou vivendo no mangue. Juntando donativos fez uma escola para 70 crianças num galpão em cima do lamaçal. Seus ex-alunos hoje são professores de sua Escola Popular Novos Alagados. Em 1998 foi a única professora da América Latina a figurar numa publicação da Unesco sobre 10 educadores que trabalham em condições extremas.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Deixe aqui seu comentário, se desejar: carlaolharfeminista@gmail.com ou carlahumberto@yahoo.com.br

Beijos, Carla Vilaça