quarta-feira, 17 de maio de 2017

Só queremos carinho, nada mais!

Os homens são loucos por sexo, certo? Nem sempre. Em muitos casos, eles preferem a satisfação solitária do que dividir a cama com uma mulher. Não me baseio em pesquisas para afirmar isso, nem tenho tanta experiência no assunto, mas esta é uma conclusão informal, tirada de conversas femininas com amigas, cujo assunto principal é a libido masculina (e sua performance sexual, posições, manotas durante a relação, tamanhos de uma coisa e de outra, etc). Nessas rodadas, chamadas também de tricotadas ou mexericos de comadre, entre risadas e teorias baratas, acreditamos que podemos analisar os homens através das relações amorosas que tivemos ou temos, com namorados, ficantes ou maridos.
Fui criada acreditando que todo homem é safado, só pensa naquilo e que usa e abusa da mulher em todos os sentidos. Essa foi a maneira encontrada pela minha mãe para impedir que eu e minhas irmãs caíssemos em armadilhas de algum engraçadinho que pudesse nos engravidar antes do casamento. É um pensamento antigo, mas muito utilizado na minha adolescência pelas matriarcas que davam satisfações aos vizinhos e parentes. Isso mudou bastante, mas a verdade é que as meninas ainda recebem uma criação diferente das ofertadas aos meninos. O bom desta história é que na maioria das vezes me enganei, porque muitos rapazes não eram nada do que imaginei e quando estiveram comigo, desejavam apenas beijar, abraçar e conversar, antes de passar para a segunda fase, a do sexo (que não acontecia, logicamente). Eram o que chamamos de 'Homem prá Casar'. Mesmo assim só me casei depois de curtir muito a minha vida de solteira.
Por outro lado, nossas mães têm razão em nos alertar sobre os tarados disfarçados de galã, capazes de nos enganar com cantadas esdrúxulas, que caímos ao menor sinal de interesse por parte deles, ou do nosso, evidentemente. Com suas lábias doces e garras afiadas, conseguem o que querem e depois vão embora sem pensar nos corações destroçados que deixaram. Não falo da ingenuidade de uma garota, mas me refiro a todo tipo de mulher, de todas as idades que são levadas por promessas que jamais serão cumpridas pelo Don Juan, interessado apenas em conquistar e sentir prazer com qualquer uma que ele encontrar pelo caminho. Quase psicopatas - e alguns o são de fato - sabem agradar porque  conhecem as artimanhas da sedução e sabem como enlouquecer uma mulher na cama.
Em contrapartida, caso o interesse seja da mulher na conquista de um homem, é ela quem corre atrás da vítima, como caçadoras famintas, loucas para transar com aquele que considera seu objeto de prazer. Em muitas situações somos mesmo parecidos, homens e mulheres. Mas, neste caso, o sexo feminino consegue ser, algumas vezes, pior do que o masculino porque ela conhece os sentimentos a fundo, sabe articular muito bem e investigar cada passo do homem desejado e encurralá-lo para que não saia de seus braços. Não se trata de ciúme, mas de obsessão, um desvio de personalidade, talvez, que não me cabe aqui decifrar pela minha falta de conhecimento técnico.
Mas, então tá. Se estamos apenas baseando em experiências particulares, partimos agora para teorias científicas que muitas vezes são usadas em barzinhos como afirmação das ideias. Segundo alguns estudiosos, como o sexólogo Gerson Lopes, ambos, homens e mulheres são idênticos em seus desejos sexuais, mas enquanto ela depende mais da estimulação romântica do que sexual, ele é capaz de permanecer interessado sempre que encontrar alguém com quem já transou, mesmo que esteja em outra relação amorosa. Ou seja, nos ligamos mais em carinho e atenção do que a transa em si.
Voltando para a nossa realidade nua e crua, o que percebemos é que no fundo, no fundo, depende de como os homens recebem a orientação a respeito da mulher, ainda na infância. Ele poderá ser mais carinhoso ou egoísta à medida em que nos compreende e nos conhece. Valorizamos os sentimentos, os elogios, o carinho e o romantismo, a atenção. Para nós, o sexo não vem separado do corpo e da mente, mas é um todo e um item completa o outro. O que precisamos mesmo é de beijo na boca, sorrisos safados e um olhar de admiração, de desejo, de paixão. Não exigimos muito, não somos difíceis. Somos incompreendidas. Deu prá entender, rapazes?


Beijos,

Carla Vilaça

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Comentários para os e-mails: carlaolharfeminista@gmail.com ou carlahumberto@yahoo.com.br

Beijos,

Carla Vilaça