quinta-feira, 2 de outubro de 2014

O carro como extensão do corpo!

São seis e meia da manhã e já lavei as vasilhas de ontem, arrumei a cama e varri a casa, enquanto meu marido sai para o trabalho. No posto de gasolina, aceito a gentileza de frentistas que jogam água no meu carro, imundo pela falta de tempo. Sem contar que moro em apartamento, e não sei lavar veículos corretamente, manchando a lataria, pois até então, eu o limpava como se faz com o chão da cozinha ou do banheiro.
Nunca me importei muito com carros, pois para mim, é apenas uma máquina que me transporta a alguns lugares (outros vou de ônibus mesmo, que acho mais simples). Tanto que custei a dirigir e não fico lustrando os tapetes de borracha como os homens fazem. Para eles, os veículos são como uma extensão do próprio corpo. Quando têm tempo livre, ligam o som alto enquanto enceram o "carango". Penso que o prazer seja o mesmo de ver a casa limpa e cheirosa. Mas, exibir o veículo, para o sexo masculino, é quase um ato fálico. Diante daquela máquina, se sentem poderosos e capazes, assim como um pavão que abre suas penas para a fêmea, mostrando sua beleza externa.
Mas, ainda no posto, respondo o porque daquela poeira toda no veículo, jogando a culpa na falta de tempo, e no meu marido, reclamando da atenção dispensada ao carro dele e nenhuma ao meu. E finjo não entender na cantada que recebo, que me faz tão bem naquela hora do dia. E me lembro da atriz Ava Gardner, que junto com suas colegas de Hollywood, saía pela madrugada para abastecer e acabavam levando alguns frentistas para casa, nos idos dos anos 50. 
Esse não é o meu perfil, mas um elogio sempre faz bem ao ego, e me faz pensar no quanto as mulheres são mais ousadas do que os homens. Geralmente, quando nos interessamos por alguém, não importamos muito com convenções, "partimos para cima", ao contrário dos homens, que chegam de mansinho, para se certificarem de que não estão entrando no caminho de outro homem, ou seja,verificam primeiro se a mulher em questão é casada ou solteira. No meu caso, como não uso aliança, eles têm mais liberdade, mas ainda assim utilizam-se de frases colocando um suposto marido para ouvir a confirmação do compromisso. 
Sou casada há oito anos e meu casamento não anda bem. Sou ciumenta, faço cobranças, gosto do meu marido em casa, mas ele não para quieto, sai o tempo todo, gosta de se divertir com amigos. Sou mais caseira, vivo para o meu filho e a casa e gostaria que ele fosse assim. Tento ser compreensiva, mas é difícil. Talvez eu queira um pouco de fantasia na minha vida, talvez um pouco de elogio, de atenção. Talvez por isso os elogios de um frentista sejam tão importantes para começar o meu dia. Afinal, como disse Millôr Fernandes: "Um touro se pega pelos chifres. A mulher, se pega pelo elogio". Uma pena os maridos não saberem disso. Acho que se preocupam demais: com o carro, com seus amigos, consigo mesmos!

4 comentários:

  1. Hummm! É difícil comentar esse seu último texto sem adotar um tom conselheiro, quase paternal. Eu não sei o q estou fazendo neste seu blog. Sinceramente! Estava deambulando na internet e cheguei aqui, ao "acaso". Talvez o melhor paralelo para analisarmos o comportamento feminino seja o das crianças. Mulheres e crianças costumam nos surpreender nos pontos extremos. Ora nos assustam com tanta inteligência ora nos abatem com tamanha criancice. Perdoe-me! Eu sei q mulheres não gostam de ser analisadas com esse rigor todo. Fico estarrecido qd uma mulher troca sua dignidade por um elogio. Pior, quase sempre um elogio falso e de um aproveitador. Talvez isto explique aquela intrigante predileção q mulheres votam aos canalhas. Passa pela sua cabeça q qd vc se deixa assediar por galanteios de outros homens vc está no caminho desastroso da traição? Faria isso com seu marido? Acho a traição o maior atestado de canalhice q alguém pode assinar. Detesto ver uma mulher entrar por caminhos tão degradantes e desnecessários. Há tanta influência melhor neste mundo. Decididamente, essas prostitutas de luxo do cinema não merecem sua admiração. Como diz a Bíblia: " O mundo inteiro jaz no maligno". Mas vc não precisa se render aos apelos do mundo. Volte-se para Deus hj. Há uma eternidade de glória para ser vivida por nós. Mas a Bíblia nos diz q lá não entrarão os adúlteros. Desculpe-me a sinceridade. Mas amo demais as mulheres para ficar omisso qd as vejo repetir os piores exemplos deste mundo.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Agradeço seu comentário, mas não foi sobre isso que falei. Contei sobre o meu dia e o prazer de receber um elogio logo cedo, seja ele de quem for. Não achei que você fez uma análise sobre a mulher, mas sim um discurso muito radical, machista mesmo. Sou muito sincera e escrevo o que gosto. E um texto serve para fazer pensar, refletir. Por isso devemos deixar, por instantes, nossos pensamentos arraigados, para permitir que entrem novas ideias, e assim, promover uma transformação mental. A religião é muito importante, mas por vezes, impede uma ousadia, primordial para a vida. Acho que realmente não entendeu o que eu quis dizer. E acho válido que se coloque como pensa. Afinal, fiz o mesmo no texto acima. Que aliás, não tem o intuito de agradar quem o lê, mas representar os sentimentos de quem o escreve. Obrigada novamente pela participação. Grande abraço, Carla Vilaça.

      Excluir
  2. Creio que o anônimo ai de cima não leu o texto direito, não se interessou em entender o que vc escrevia é um machista de carteirinha e não entende bulhufas de mulheres, todas gostam de ser apreciadas de serem elogiadas faz parte da alma feminina pra mim quem mais aponta o dedo e julgam são os que mais cometem erros.
    E o que a religião tem a ver com o texto acima do rindo mesmo. Parabéns pelo blog

    ResponderExcluir
  3. Uau. obrigada por entender o texto e fico feliz que tenha gostado. Adorei os elogios e as críticas. Grande beijo. Carla Vilaça.

    ResponderExcluir

Comentários para os e-mails: carlaolharfeminista@gmail.com ou carlahumberto@yahoo.com.br

Beijos,

Carla Vilaça