domingo, 19 de fevereiro de 2012

Professora é para sempre!

Aos onze anos de idade eu mudei de escola e encontrei uma sala lotada de alunos. Eu vinha de um colégio com menos estudantes e tudo ali me parecia pavoroso, a não ser pela professora, que me fez sentir em casa, diante de tanta novidade. Bonita e jovem, ela nos deixava encantados com tanto carinho. Era exigente, mas também fazia elogios quando percebia que estávamos aprendendo. Era notório o prazer que tinha de estar ali. Parecia que aprendia mais do que nós, ou ao menos, dividia em porções iguais seus conhecimentos com tantas crianças. Dona Céris poderia simplesmente lecionar, e ir embora. Mas, preferiu se inteirar de nossas vidas e se prontificar a ouvir cada história em particular. 
E fomos nos apaixonando, certos de que no próximo ano nos encontraríamos om ela de novo. No entanto, isso não aconteceu. Dona Céris mudou-se de escola e, como filhos desamparados, tivemos que crescer às pressas, para enfrentarmos uma quinta série cheia de matérias, livros e professores novos. Antes, porém, uma pausa para fotografias tiradas e reveladas pela própria professora (naquela época, poucas pessoas tinham máquinas fotográficas e as revelações eram muito caras).
Durante anos, nosso assunto preferido eram as aulas dadas pela dona Céris, e não havia como evitar as comparações com outras professoras. Até que fomos crescendo, tomando rumos diferentes em nossas vidas e perdendo o contato entre nós. Na formatura da oitava série, a separação foi total, com a saída da escola para o segundo grau. Agora, as lembranças passariam a ficar apenas em cada um de nós, e não mais coletivamente. Aquela escola, que tanto nos trouxe alegria, ficaria para trás para sempre. E as despedidas foram muito dolorosas.
Mas, as lembranças nunca se apagam. Muitos anos depois, reencontrei dona Céris na internet, por acaso. E, para minha surpresa, ela me respondeu e postou fotos que tirou de nós. Hoje também sou professroa e de vez em quando um ex-aluno vem me cumprimentar, para matar as saudades. Talvez eu faça, assim como ela, uma diferença na vida dessas crianças Se for assim, fico muito feliz. Sinal de que fiz direitinho, o dever de casa, ensinado, claro, pela minha grande professora, Céris Ribas.

ùltimo dia de aula, escola Henrique Diniz, BH.
Formatura do 4o ano (estou atrás do japonesinho)

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Comentários para os e-mails: carlaolharfeminista@gmail.com ou carlahumberto@yahoo.com.br

Beijos,

Carla Vilaça