domingo, 6 de fevereiro de 2011

Psicopatas do dia-a-dia

Psicopatas estão por toda parte no mundo, mas nem sempre os reconhecemos. Talvez eles nunca venham a cometer atos terríveis, mas alguns, com certeza, vão acabar com a vida de certas mulheres. Aqui não chamo de problemáticos só os assassinos em série, principalmente por que não tenho competência para isso, mas considero loucos e obssessivos, homens que não aceitam a separação da mulher que acreditam amar. E pensando apenas em satisfazer seus desejos, acabam praticando vários tipos de violência, que incluem a física, a moral ou a psicológica (ou as três juntas).
Tive um desses na minha vida, que roubou meus sonhos de juventude e dinheiro (malandro, chegou a falsificar meus cheques). Mas, o término do relacionamento era sempre tenso e impossível, dadas as ameaças constantes, com telefonemas de madrugada e perseguição aos locais em que eu frequentava. Assim, eu arrastava o namoro, que chegou a noivado e quase finalizou em casamento.
Fiquei com ele por dez anos anos, sem sentir amor ou desejo, mas apenas ódio e nojo. Percebi que a situação se encaminhava para uma tragédia ao me deparar com ele na minha casa ao chegar do serviço. Me dei conta que ele havia feito a cópia da chave e que aquela "brincadeira" havia ido longe demais. E assim, conversei devagar (não se pode assustar os loucos) e procurei a polícia. Agora, quem o ameaçava era eu. Mandei pegar meus pertences em sua casa e me mudei para outro bairro. Nunca mais o vi desde então. Meus amigos que o encontram, dizem que enlouqueci ou que estou morta. Dias desses minha irmã o o viu com uma moça linda com quem acabara de ter uma filha recém-nascida. Ao saber disso, tive dó das duas. Afinal, um psicopata nunca é bonzinho, ele apenas "dorme", como um vulcão que pode explodir sem aviso prévio.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Comentários para os e-mails: carlaolharfeminista@gmail.com ou carlahumberto@yahoo.com.br

Beijos,

Carla Vilaça